Código de Obras de São Paulo – Lei 16.642/17 – Code of Works


Código de Obras de São Paulo , aprovado , introduzindo alterações nas Leis nº 15.150/10 e 15.764/13.

Brasão_da_cidade_de_São_Paulo.svgdoria-6553699

João Dória fez esforço para que a Nova Lei 16.642 de 09 de maio de 2017 seja encaminhada aprovada para elaboração do Decreto que irá regulamentar essa importante Lei , para ajudar o crescimento e organização da cidade de São Paulo , ordenando assim como se deve construir e regularizar as obras futuras e as obras para processos de aprovações e regularizações das edificações de acordo com a Nova Lei de Zoneamento já aprovada em nossa capital.

Veja a Lei na íntegra no final deste post,

indexOpinião – Eng.Urb.Vagner Landi

Especialista em aprovações de projetos , licenciamentos e regularizações da cidade de São Paulo

Ótima notícia para a cidade de São Paulo , com o impulso que  , o empreendedor João Dória Jr, já sabíamos do seu empenho junto ao Executivo para aprovação em definitivo do Novo Código de Obras de São Paulo , que abrirá caminho para regras para as novas Construções e Regularizações , regras para Fiscalização e futuras Licenças de Funcionamentos que conduzirá futuros empreendimentos na paisagem urbana de São Paulo.

O caminho está sendo tomado para a simplificação das aprovações e licenciamentos de atividades comerciais , contrapartidas , parcelamento de solos e habitações populares e principalmente regras mais simples , isolando assim as teias da fiscalização .

Um dos pontos importantes é a simplificação dos pedidos de reforma sem aumento de áreas sem comprometimento estrutural, que não haverá mais a necessidade de Aprovação de Comunicação de Reforma , desde que haja uma responsabilidade técnica de um engenheiro ou arquiteto responsável , juntamente com anuência do proprietário do imóvel, com as respectivas Art – CREA e CAU.

Para outros casos segue-se os tramites de aprovações em Prefeituras Regionais, Secretaria de Licenciamento e Órgãos de Patrimônios Históricos.

LEI Nº 16.642, DE 9 DE MAIO DE 2017

(Projeto de Lei nº 466/15, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo)

Aprova o Código de Obras e Edificações do Município de São Paulo; introduz alterações nas Leis nº 15.150, de 6 de maio de 2010, e nº 15.764, de 27 de maio de 2013.

JOÃO DORIA, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal, em sessão de 1º de julho de 2016, decretou e eu promulgo a seguinte lei:

CAPÍTULO I

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 1º Fica aprovado o Código de Obras e Edificações do Município de São Paulo – COE, que disciplina, no Município de São Paulo, as regras gerais a serem observadas no projeto, no licenciamento, na execução, na manutenção e na utilização de obras, edificações e equipamentos, dentro dos limites do imóvel, bem como os respectivos procedimentos administrativos, executivos e fiscalizatórios, sem prejuízo do disposto na legislação estadual e federal pertinente.

Art. 2º A análise dos projetos e dos pedidos de documentos de controle da atividade edilícia deve ser efetuada quanto à sua observância:

I – às normas do Plano Diretor Estratégico – PDE, da Legislação de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo – LPUOS e das Operações Urbanas Consorciadas – OUC;

II – aos planos de melhoramento viário aprovados;

III – às servidões administrativas;

IV – às restrições decorrentes das declarações de utilidade pública e de interesse social;

V – às limitações decorrentes do tombamento e da preservação de imóveis;

VI – às regras para mitigar o impacto ambiental e de vizinhança;

VII – às restrições para a ocupação de áreas com risco ou contaminadas;

VIII – a quaisquer leis ou regulamentos relacionados às características externas da edificação ou equipamento e sua inserção na paisagem urbana;

IX – às exigências relativas às condições de segurança de uso das edificações com alto potencial de risco de incêndios e situações de emergência.

Art. 3º Para fins de aplicação das disposições deste Código ficam adotadas as seguintes definições:

I – acessibilidade: condição de utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, por pessoa com deficiência ou com mobilidade reduzida, de edificação, espaço, mobiliário e equipamento;

II – acessível: edificação, espaço, mobiliário e equipamento que possa ser utilizado e vivenciado por qualquer pessoa, inclusive aquela com deficiência ou mobilidade reduzida, conforme os parâmetros definidos em norma técnica pertinente;

III – adaptação razoável: modificações e ajustes necessários e adequados que não acarretem ônus desproporcional ou indevido, quando requeridos em cada caso, a fim de assegurar que as pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida possam gozar ou exercer, em igualdade de oportunidades com as demais pessoas, os direitos humanos e liberdades fundamentais;

IV – alinhamento: linha de divisa entre o terreno e o logradouro público;

V – andar: volume compreendido entre dois pavimentos consecutivos ou entre o pavimento e o nível superior de sua cobertura;

VI – ático: parte do volume superior de uma edificação, destinada a abrigar casa de máquinas, piso técnico de elevadores, equipamentos, caixa d’água e circulação vertical;

VII – beiral: prolongamento da cobertura que se sobressai das paredes externas da edificação;

VIII – canteiro de obras: espaço delimitado pelo tapume, destinado ao preparo e apoio à execução da obra ou serviço, incluindo os elementos provisórios que o compõem, tais como estande de vendas, alojamento, escritório de campo, depósitos, galeria, andaime, plataforma e tela protetora visando à proteção da edificação vizinha e logradouro público;

IX – demolição: total derrubamento de uma edificação;

X – edificação: obra coberta destinada a abrigar atividade humana ou qualquer instalação, equipamento e material;

XI – edificação transitória: edificação de caráter não permanente, passível de montagem, desmontagem e transporte;

XII – embargo: ordem de paralisação dos trabalhos na obra ou serviço em execução sem a respectiva licença ou por desatendimento à Legislação de Obras e Edificações – LOE ou LPUOS;

XIII – equipamento: elemento não considerado como área construída, destinado a guarnecer ou completar uma edificação, a ela se integrando, tais como equipamentos mecânicos de transporte, tanques de armazenagem, bombas e sistemas de energia, aquecimento solar e a gás, podendo ser:

a) equipamento permanente: equipamento de caráter duradouro;

b) equipamento transitório: equipamento de caráter não permanente, passível de montagem, desmontagem e transporte;

XIV – interdição: ordem e ato de fechamento e desocupação do imóvel em situação irregular ou de risco em relação às condições de estabilidade, segurança ou salubridade;

XV – mobiliário: elemento construtivo que não se enquadra como edificação ou equipamento, tais como:

a) guarita e módulo pré-fabricado;

b) jirau, elemento constituído de estrado ou passadiço, instalado a meia altura em compartimento;

c) abrigo ou telheiro sem vedação lateral em pelo menos 50% (cinquenta por cento) do perímetro;

d) estufas, quiosques, viveiros de plantas, churrasqueiras;

e) dutos de lareiras;

f) pérgulas;

XVI – movimento de terra: modificação do perfil do terreno ou substituição do solo em terrenos alagadiços ou que implique em alteração topográfica superior a 1,50 m (um metro e cinquenta centímetros) de desnível ou a 1.000,00 m³ (mil metros cúbicos) de volume;

XVII – muro de arrimo: muro resistente, que trabalha por gravidade ou flexão, construído para conter maciço de terra, empuxo das águas de infiltração, sobrecarga de construção, sobreaterro e situações similares;

XVIII – obra complementar: edificação secundária ou parte da edificação que, funcionalmente, complemente a atividade desenvolvida no imóvel, tais como:

a) passagem coberta de pedestre sem vedação lateral;

b) abrigo de porta e portão, automóvel, lixo, recipiente de gás e entrada e medidores de concessionárias;

c) casa de máquina isolada, cabine de força, cabine primária;

d) reservatório em geral, elevado e enterrado, chaminé e torre isoladas;

e) bilheteria, portaria, caixa eletrônico;

XIX – obras de emergência: obras de caráter urgente, essenciais à garantia das condições de estabilidade, segurança ou salubridade do imóvel;

XX – pavimento: plano de piso;

XXI – pavimento térreo: aquele definido na LPUOS;

XXII – pavimento de acesso: aquele definido na LPUOS;

XXIII – peça gráfica: representação gráfica de elementos para a compreensão de um projeto ou obra;

XXIV – pérgulas: vigas horizontais ou inclinadas, sem cobertura;

XXV – pessoa com deficiência: aquela que tem impedimento de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, o qual, em interação com uma ou mais barreiras, pode obstruir sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas;

XXVI – pessoa com mobilidade reduzida: aquela que tenha, por qualquer motivo, dificuldade de movimentação, permanente ou temporária, gerando redução efetiva da mobilidade, da flexibilidade, da coordenação motora ou da percepção, incluindo idoso, gestante, lactante, pessoa com criança de colo e obeso;

XXVII – reconstrução: obra destinada à recuperação e recomposição de uma edificação, motivada pela ocorrência de incêndio ou outro sinistro, mantendo-se as características anteriores, observadas as condições de adaptação à segurança de uso e de acessibilidade estabelecidas nesta lei;

XXVIII – recuo: distância entre o limite externo da edificação e a divisa do lote, medida perpendicularmente a esta;

XXIX – reforma: intervenção na edificação que implique alteração da área construída ou da volumetria, com a simultânea manutenção de parte ou de toda a área existente, com ou sem mudança de uso;

XXX – reforma sem acréscimo de área: intervenção na edificação sem alteração da área construída, que implique em modificação da estrutura, pé-direito ou compartimentação vertical, com ou sem mudança de uso;

XXXI – reparo: obra ou serviço destinado à manutenção de um edifício, sem implicar mudança de uso, acréscimo ou supressão de área, alteração da estrutura, da compartimentação horizontal e vertical, da volumetria, e dos espaços destinados à circulação, iluminação e ventilação;

XXXII – requalificação: intervenção em edificação existente, visando à adequação e modernização das instalações, com ou sem mudança de uso;

XXXIII – saliência: elemento arquitetônico, engastado ou aposto na edificação ou muro, tais como aba horizontal e vertical, marquise, jardineira, floreira, ornamento e brise;

XXXIV – tapume: vedação provisória usada durante a construção, visando à proteção de terceiros e ao isolamento da obra ou serviço;

XXXV – terraço aberto: peça justaposta à edificação, constituída em balcão aberto, sem ou com vedação, desde que retrátil ou vazada do tipo quebra-sol, em balanço ou não, complementar à unidade residencial ou não residencial, não abrigando função essencial ao pleno funcionamento da unidade;

XXXVI – uso privado: espaço ou compartimento de utilização exclusiva da população permanente da edificação;

XXXVII – uso restrito: espaço, compartimento, ou elemento interno ou externo, disponível estritamente para pessoas autorizadas.

Parágrafo único. Ficam também adotadas as seguintes abreviações:

I – ART – Anotação de Responsabilidade Técnica perante o CREA;

II – CAU – Conselho de Arquitetura e Urbanismo;

III – COE – Código de Obras e Edificações;

IV – CREA – Conselho Regional de Engenharia e Agronomia;

V – LOE – Legislação de Obras e Edificações, incluindo o COE;

VI – LPUOS – Legislação de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo;

VII – PDE – Plano Diretor Estratégico;

VIII – Prefeitura – Prefeitura do Município de São Paulo;

IX – RRT – Registro de Responsabilidade Técnica perante o CAU.

CAPÍTULO II

DO CONTROLE DA ATIVIDADE EDILÍCIA

Seção I

Das Responsabilidades e dos Direitos

Art. 4º É direito e responsabilidade do proprietário ou possuidor do imóvel requerer perante a Prefeitura a emissão dos documentos de controle da atividade edilícia de que trata este Código, respeitados o direito de vizinhança, a função social da propriedade e a legislação municipal correlata.

Parágrafo único. O licenciamento de projetos e obras e instalação de equipamentos não implica o reconhecimento, pela Prefeitura, do direito de propriedade ou posse sobre o imóvel.

Art. 5º Para fins de aplicação das disposições deste Código, considera-se:

I – proprietário: a pessoa física ou jurídica, detentora de título de propriedade do imóvel registrado no Cartório de Registro de Imóveis;

II – possuidor: a pessoa física ou jurídica, bem como seu sucessor a qualquer título, que tenha de fato o exercício, pleno ou não, de usar o imóvel objeto da obra.

Parágrafo único. No caso de órgão ou entidade da Administração Pública Direta e Indireta, a titularidade pode ser comprovada pela apresentação de mandado de imissão na posse, expedido em ação expropriatória do imóvel, sendo admitido o licenciamento sobre parte da área constante do título de propriedade.

Art. 6º O possuidor tem os mesmos direitos do proprietário, desde que apresente a certidão de registro imobiliário e um dos seguintes documentos:

I – contrato com autorização expressa do proprietário;

II – compromisso de compra e venda devidamente registrado no Cartório de Registro de Imóveis;

III – contrato representativo da relação jurídica existente entre o proprietário e o possuidor direto;

IV – escritura definitiva sem registro;

V – decisão judicial reconhecendo o direito de usucapião.

Parágrafo único. O proprietário ou possuidor que autoriza a obra ou serviço fica responsável pela manutenção das condições de estabilidade, segurança e salubridade do imóvel, edificações e equipamentos, bem como pela observância do projeto aprovado, das disposições deste Código, do respectivo decreto regulamentar, das normas técnicas aplicáveis e da legislação municipal correlata, bem como do Plano Diretor Estratégico – PDE e da Legislação de Parcelamento, Uso e Ocupação do Solo – LPUOS.

Art. 7º Todos os pedidos de documentos de controle da atividade edilícia devem ser subscritos pelo proprietário ou possuidor em conjunto com um profissional habilitado.

§ 1º A veracidade das informações e documentos apresentados nos pedidos e cadastro de que trata este Código é de inteira responsabilidade do proprietário ou possuidor e do profissional habilitado.

§ 2º O proprietário, o possuidor e o profissional habilitado ficam obrigados à observância das disposições deste Código, das regras indispensáveis ao seu cumprimento fixadas no respectivo decreto regulamentar e das normas técnicas aplicáveis, submetendo-se às penalidades previstas nesta lei.

Art. 8º Considera-se profissional habilitado o técnico registrado perante os órgãos federais fiscalizadores do exercício profissional, respeitadas as atribuições e limitações consignadas por aqueles organismos.

§ 1º O profissional habilitado pode assumir as funções de:

I – responsável técnico pelo projeto, sendo responsável pelo atendimento à legislação pertinente na elaboração do projeto, pelo conteúdo das peças gráficas e pelas especificações e exequibilidade de seu trabalho;

II – responsável técnico pela obra, sendo responsável pela correta execução da obra de acordo com o projeto aprovado e pela instalação e manutenção do equipamento, observadas as normas técnicas aplicáveis, zelando por sua segurança e assumindo as consequências diretas e indiretas advindas de sua atuação.

§ 2º O profissional habilitado pode atuar individual ou solidariamente e como pessoa física ou responsável por pessoa jurídica, facultado ao mesmo profissional a assunção das funções de responsável técnico pelo projeto, de responsável técnico pela obra, de responsável pela instalação do equipamento e de responsável pela manutenção do equipamento.

§ 3º Fica facultada a transferência da responsabilidade profissional, sendo obrigatória em caso de impedimento do técnico atuante, assumindo o novo profissional, perante a Prefeitura, a responsabilidade pela parte já executada, sem prejuízo da responsabilização do profissional anterior.

§ 4º No caso de alteração do projeto com simultânea troca do seu responsável técnico, o profissional inicial deverá ser comunicado do ocorrido.

Art. 9º A observância das disposições deste Código não desobriga o profissional do cumprimento das normas disciplinadoras de sua regular atuação, impostas pelo respectivo conselho profissional, e daquelas decorrentes da legislação federal, estadual e municipal.

Parágrafo único. A Prefeitura se exime do reconhecimento dos direitos autorais ou pessoais referentes à autoria do projeto e à responsabilidade técnica.

Art. 10. A Prefeitura não se responsabiliza pela estabilidade da edificação e do equipamento ou por qualquer sinistro ou acidente decorrente de deficiências do projeto, de sua execução ou instalação, bem como de sua utilização.

Art. 11. A conformidade do projeto às normas técnicas gerais e específicas de construção e às disposições legais e regulamentares aplicáveis aos aspectos interiores das edificações é de responsabilidade exclusiva do responsável técnico pelo projeto, de acordo com a declaração de responsabilidade a ser apresentada nos termos deste Código.

§ 1º O projeto de edificação ou equipamento deve observar as disposições técnicas estabelecidas no Anexo I deste Código, independentemente da demonstração nas peças gráficas apresentadas, bem como estar em consonância com a legislação estadual e federal aplicável e as normas pertinentes.

§ 2º O projeto de segurança de uso deve observar as disposições estabelecidas nas normas pertinentes ao sistema construtivo e de estabilidade, condições de escoamento, condições construtivas especiais de segurança de uso, potencial de risco, instalações elétricas e sistema de proteção contra descargas atmosféricas, equipamentos e sistemas de segurança contra incêndio e aos sistemas complementares.

§ 3º Podem ser aceitas outras soluções técnicas, com igual ou superior desempenho em relação ao estabelecido neste Código, desde que devidamente justificadas.

§ 4º O projeto deve observar as normas específicas e aquelas emitidas pelas concessionárias de serviços públicos, tais como de água, esgoto, energia elétrica e gás.

Seção II

Dos Documentos de Controle da Atividade Edilícia

Art. 12. A atividade edilícia depende de controle a ser exercido por meio da emissão de alvará, certificado, autorização ou registro em cadastro de acordo com o tipo de obra, serviço e equipamento a ser executado ou instalado, mediante procedimento administrativo e a pedido do interessado.

§ 1º Estão sujeitas a alvará de aprovação e execução as seguintes atividades:

I – construção de edificação nova em lote não edificado;

II – reforma de edificação existente;

III – requalificação de edificação existente;

IV – demolição de bloco existente isolado, com ou sem a simultânea manutenção de outros blocos existentes no lote;

V – reconstrução de edificação regular, no todo ou em parte;

VI – execução de muro de arrimo quando desvinculado de obra de edificação;

VII – movimento de terra quando desvinculado de obra de edificação.

§ 2º Estão sujeitas a certificado as seguintes atividades:

I – conclusão de obra licenciada;

II – regularização de edificação existente;

III – adaptação de edificação existente às condições de acessibilidade;

IV – adaptação de edificação existente às condições de segurança de uso.

§ 3º Estão sujeitas a autorização:

I – implantação ou utilização de edificação transitória ou equipamento transitório;

II – utilização temporária de edificação licenciada para uso diverso;

III – avanço de tapume sobre parte do passeio público;

IV – avanço de grua sobre o espaço público;

V – instalação de canteiro de obras e estande de vendas em imóvel distinto daquele em que a obra será executada.

§ 4º Estão sujeitas a cadastro e manutenção os seguintes equipamentos:

I – equipamento mecânico de transporte permanente, tais como elevador, escada rolante e plataforma de elevação;

II – tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins;

III – equipamento de sistema especial de segurança da edificação, definido nos termos deste Código.

Art. 13. Não estão sujeitas a licenciamento, nos termos deste Código, a execução de:

I – obra e serviço de reparo e limpeza;

II – restauro, entendido como a recuperação de imóvel sob o regime de preservação municipal, estadual ou federal, de modo a lhe restituir as características originais, a ser autorizado pelo órgão competente;

III – alteração do interior da edificação que não implique modificação na estrutura que interfira na estabilidade da construção;

IV – modificação do interior da edificação que não implique na redução das condições de acessibilidade e segurança existentes;

V – execução de obra e serviço de baixo impacto urbanístico de acordo com o disposto neste Código.

§ 1º Consideram-se de baixo impacto urbanístico, dentre outras, a:

I – construção e demolição de obras complementares à edificação com área construída de, no máximo, 30,00 m² (trinta metros quadrados);

II – instalação de saliência, com as seguintes características e dimensões em relação ao plano da fachada da edificação:

a) elemento arquitetônico, ornato, jardineira, floreira, brise, aba horizontal e vertical, com até 0,40 m (quarenta centímetros) de profundidade;

b) beiral da cobertura com até 1,50 m (um metro e meio) de largura;

c) marquise em balanço, não sobreposta, que avance no máximo até 50% (cinquenta por cento) das faixas de recuo obrigatório e com área máxima de 30,00 m² (trinta metros quadrados);

III – construção de muro no alinhamento e de divisa;

IV – construção de muro de arrimo com altura máxima de 2,00m (dois metros);

V – construção de espelho d’água, poço e fossa;

VI – construção de piscina em edificação residencial unifamiliar e unidade habitacional no conjunto de habitações agrupadas horizontalmente;

VII – substituição de material de revestimento exterior de parede e piso ou de cobertura ou telhado;

VIII – passagem coberta com largura máxima de 3 m (três metros) e sem vedação lateral.

§ 2º Não se considera de baixo impacto urbanístico a obra que venha a causar modificação na estrutura da edificação e aquela executada em imóvel:

I – sob o regime de preservação cultural, histórica, artística, paisagística ou ambiental ou em vias de preservação, de interesse municipal, estadual ou federal;

II – situado em área envoltória de imóvel referido no inciso I deste parágrafo.

§ 3º As obras de que trata o § 2º deste artigo devem ser aprovadas por órgão de preservação municipal, estadual ou federal, conforme for o caso, e devem ser adaptadas às condições de segurança de uso e de acessibilidade estabelecidas neste Código.

§ 4º Quando forem necessárias as obras de adaptação previstas no § 3º deste artigo, deve ser solicitada a aprovação do projeto de reforma ou de reconstrução, conforme o caso.

§ 5º A obra e serviço de baixo impacto urbanístico nos termos deste artigo não são considerados para o cálculo da taxa de ocupação e não são descontados no cálculo de áreas permeáveis do projeto.

Art. 14. A atividade edilícia em imóvel da União, do Estado e do Município e de suas respectivas autarquias universitárias independe da expedição dos documentos de que trata este Código, ficando, no entanto, sujeita ao atendimento de suas disposições e da legislação pertinente à matéria.

Subseção I

Do Alvará de Aprovação

Art. 15. Mediante procedimento administrativo e a pedido do proprietário ou do possuidor do imóvel, a Prefeitura emite Alvará de Aprovação, que licencia o projeto para:

I – construção de edificação nova;

II – reforma de edificação existente;

III – requalificação de edificação existente.

Parágrafo único. O Alvará de Aprovação deve incluir, quando necessário à implantação do projeto, as informações relativas à previsão de:

I – demolição parcial ou total do existente;

II – execução de muro de arrimo;

III – execução de movimento de terra;

IV – instalação de equipamento mecânico de transporte permanente, tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins e de equipamento de sistema especial de segurança da edificação, nos termos deste Código;

V – (VETADO).

Art. 16. O pedido de Alvará de Aprovação deve ser instruído com:

I – documentação referente ao imóvel;

II – peças gráficas do projeto simplificado assinadas por profissional habilitado, conforme estabelecido neste Código e decreto regulamentar;

III – levantamento topográfico elaborado por profissional habilitado, de acordo com os requisitos técnicos a serem regulamentados;

IV – declaração assinada pelo profissional habilitado, atestando a conformidade do projeto no que diz respeito aos aspectos interiores da edificação em relação às disposições deste Código e legislação correlata;

V – declaração assinada pelo profissional habilitado, atestando a conformidade das condições de instalação de equipamento mecânico de transporte permanente, tanque de armazenagem, filtro, bomba de combustível e equipamentos afins e de sistema especial de segurança da edificação em relação às normas e legislação pertinente, quando for o caso.

§ 1º Se uma edificação for constituída por um conjunto de blocos cujos projetos forem elaborados por profissionais diferentes, respondem eles solidariamente pela implantação de todo o conjunto.

§ 2º Somente são aceitas divergências de até 5% (cinco por cento) entre as dimensões e área constantes do documento de propriedade apresentado e as apuradas no levantamento topográfico.

§ 3º Quando dentro do limite estabelecido no § 2º deste artigo, são observados os índices fixados pelo PDE e LPUOS em relação às menores dimensões e área apuradas.

§ 4º Havendo divergência superior a 5% (cinco por cento) entre qualquer dimensão ou área constante do documento de propriedade e a apurada no levantamento topográfico, o Alvará de Aprovação pode ser emitido, ficando a emissão do Alvará de Execução condicionada à apresentação da certidão de matrícula do imóvel com dimensões e área retificadas.

Art. 17. As peças gráficas do projeto simplificado devem conter:

I – implantação da edificação;

II – planta baixa do perímetro de todos os andares;

III – corte esquemático;

IV – no caso de reforma com alteração de área, a indicação das edificações existentes e dos acréscimos ou decréscimos de área;

V – quadro de áreas e demonstrativos do atendimento ao PDE e LPUOS;

VI – informação sobre o manejo arbóreo, quando for o caso;

VII – demonstração do atendimento às disposições deste Código.

§ 1º No caso de projetos para usos não residencial especial ou incomodo à vizinhança residencial definido na LPUOS, a planta apresentada deverá conter ainda:

I – identificação das rotas de fuga;

II – localização das escadas de segurança;

III – localização da circulação comum horizontal;

IV – cálculo da lotação dos pavimentos e do escoamento da população segundo as condições estabelecidas no item 6 do Anexo I desta lei.

§ 2º Ato do Executivo deve regulamentar a forma de apresentação e representação do projeto simplificado, de acordo com o porte e complexidade dos empreendimentos.

Art. 18. O Alvará de Aprovação perde a eficácia em 2 (dois) anos contados da data da publicação do despacho de deferimento do pedido, devendo, neste prazo, ser solicitado o respectivo Alvará de Execução.

Parágrafo único. Quando se tratar de edificação constituída de mais de um bloco isolado, o prazo do Alvará de Aprovação fica dilatado por mais 1 (um) ano para cada bloco excedente, até o prazo máximo de 5 (cinco) anos.

Art. 19. O Alvará de Aprovação pode ser revalidado desde que o projeto aprovado atenda à legislação em vigor por ocasião do deferimento do pedido de revalidação.

Parágrafo único. Se houver necessidade de análise técnica em função da edição de legislação posterior, deve ser solicitado novo alvará.

Art. 20. O Alvará de Aprovação pode, enquanto vigente, ser objeto de apostilamento para constar eventuais alterações de dados.

Parágrafo único. A alteração do projeto aprovado dar-se-á por meio da emissão de novo Alvará de Aprovação.

Art. 21. Pode ser emitido mais de um Alvará de Aprovação para o mesmo imóvel.

Art. 22. O Alvará de Aprovação pode ser expedido juntamente com o Alvará de Desmembramento, por meio do mesmo procedimento, de acordo com o regulamento.

Subseção II

Do Alvará de Execução

Art. 23. Mediante procedimento administrativo e a pedido do proprietário ou possuidor do imóvel, a Prefeitura emite Alvará de Execução, que autoriza a execução e é indispensável para o início das obras de:

I – construção de edificação nova;

II – reforma de edificação existente;

III – requalificação de edificação existente;

IV – reconstrução de edificação que sofreu sinistro;

V – demolição total de edificação ou de bloco isolado quando desvinculado de obra de edificação;

VI – execução de muro de arrimo quando desvinculado de obra de edificação;

VII – movimento de terra quando desvinculado de obra de edificação.

§ 1º Um único Alvará de Execução pode incluir, quando for o caso, o licenciamento de mais de um tipo de serviço ou obra elencado no “caput” deste artigo.

§ 2º O Alvará de Execução para edificação nova, reforma ou requalificação de edificação deve incluir, quando for o caso, a licença para:

I – demolição parcial ou total da edificação existente;

II – execução de muro de arrimo;

III – movimento de terra necessário à execução do projeto;

IV – instalação de equipamento mecânico de transporte permanente, tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins e de sistema especial de segurança da edificação, nos termos das disposições deste Código;

V – (VETADO)

VI – (VETADO)

VII – (VETADO)

VIII – (VETADO).

§ 3º No caso do Alvará de Execução se referir a um conjunto de serviços ou obras a serem executados sob a responsabilidade de diversos profissionais, dele deve constar a área de atuação de cada um deles.

§ 4º No caso de pedido para demolição de bloco isolado, independente de construção de outras obras ou de reforma no mesmo terreno, o licenciamento se dá de forma declaratória, pelo proprietário, devendo ser assistido por profissional habilitado somente se a edificação apresentar 3 (três) ou mais pavimentos.

Art. 24. O pedido de Alvará de Execução deve ser instruído com documentos referentes ao terreno e ao projeto, assinado pelo profissional habilitado, de acordo com a natureza do pedido.

§ 1º O responsável técnico deve formalizar declaração de responsabilidade pela correta execução da obra, de acordo com o projeto aprovado, observadas as normas técnicas aplicáveis.

§ 2º Quando o pedido abranger a instalação de equipamento mecânico de transporte permanente, tais como elevador, escada rolante e plataforma de elevação, ou de tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins ou dispuser de sistema especial de segurança da edificação, deve ser formalizada declaração de responsabilidade assinada pelo profissional habilitado responsável pela instalação, atestando que os serviços atenderão às normas e às disposições legais pertinentes.

§ 3º O Alvará de Execução somente pode ser emitido após a comprovação do atendimento a eventuais ressalvas constantes do Alvará de Aprovação e o pagamento integral da outorga onerosa previsto na legislação urbanística, quando for o caso.

Art. 25. Quando houver mais de um Alvará de Aprovação em vigor para o mesmo imóvel, o Alvará de Execução pode ser concedido apenas para um deles.

Art. 26. Pode ser requerido Alvará de Execução parcial para cada bloco no caso do Alvará de Aprovação compreender edificação constituída de mais de um bloco, observado o seu prazo de vigência.

Art. 27. Após a emissão do Alvará de Execução, somente são aceitas pequenas alterações no projeto, não se admitindo mudança de uso, categoria de uso ou subcategoria de uso e alteração da área de terreno.

Parágrafo único. Na hipótese prevista no “caput” deste artigo, o projeto modificativo a ser aprovado não pode conter, em relação ao projeto anteriormente aprovado:

I – alteração superior a 5% (cinco por cento) nas áreas computáveis;

II – alteração superior a 5% (cinco por cento) nas áreas não computáveis;

III – alteração superior a 5% (cinco por cento) na taxa de ocupação.

Art. 28. Quando destinado à demolição total, execução de muro de arrimo e movimento de terra desvinculados de obra de edificação, o Alvará de Execução perde a eficácia se as obras não forem concluídas dentro do prazo de 2 (dois) anos contados da data da publicação do despacho de deferimento do pedido.

Art. 29. O Alvará de Execução para edificação nova, reforma, requalificação e reconstrução de edificação perde a eficácia:

I – caso a obra não tenha sido iniciada, em 2 (dois) anos a contar da data da publicação do despacho de deferimento do pedido;

II – caso a obra tenha sido iniciada, se permanecer paralisada por período superior a 1 (um) ano.

§ 1º Considera-se início de obra o término das fundações da edificação ou de um dos blocos.

§ 2º O prazo de validade do alvará de execução fica suspenso durante a tramitação de eventual projeto modificativo.

§ 3º (VETADO)

Art. 30. A obra paralisada com o Alvará de Execução caduco pode ser reiniciada após o reexame do projeto e a revalidação simultânea dos Alvarás de Aprovação e de Execução, desde que o projeto aprovado atenda à legislação em vigor por ocasião do deferimento do pedido de revalidação.

Parágrafo único. Pode ser aceita a continuação de obra parcialmente executada e paralisada que não atenda à legislação em vigor, desde que a edificação venha a ser utilizada para uso permitido na zona pelo PDE e LPUOS e não seja agravada a eventual desconformidade em relação:

I – aos índices urbanísticos e parâmetros de instalação e incomodidade estabelecidos na LPUOS;

II – às normas relativas às condições de higiene, salubridade, segurança de uso e acessibilidade estabelecidas na LOE.

Art. 31. O Alvará de Execução pode, enquanto vigente, ser objeto de apostilamento para constar eventuais alterações de dados.

Art. 32. O Alvará de Execução pode ser expedido juntamente com o Alvará de Aprovação, por meio de um mesmo procedimento, sendo neste caso o prazo de validade equivalente à soma dos prazos de validade de cada Alvará.

Subseção III

Do Certificado de Conclusão

Art. 33. Mediante procedimento administrativo e a pedido do proprietário ou possuidor, a Prefeitura expede Certificado de Conclusão quando da conclusão de obra ou serviço licenciado por meio de Alvará de Execução para:

I – construção de edificação nova;

II – reforma de edificação existente;

III – requalificação de edificação existente;

IV – reconstrução de edificação que sofreu sinistro;

V – demolição total de edificação ou de bloco isolado;

VI – execução de muro de arrimo;

VII – movimento de terra.

§ 1º Pode ser concedido Certificado de Conclusão em caráter parcial se a parte concluída da edificação atender às exigências previstas na LOE, PDE e LPUOS para o uso a que se destina.

§ 2º No caso de edificação irregular, no todo ou em parte, que não atenda ao disposto na LOE, PDE e LPUOS, o Certificado de Conclusão para reforma, parcial ou total, só pode ser concedido após a supressão da infração.

§ 3º Para emissão do Certificado de Conclusão são aceitas pequenas alterações que não descaracterizem o projeto aprovado e que não impliquem em divergência superior a 5% (cinco por cento) entre as medidas lineares e quadradas da edificação e de sua implantação constantes do projeto aprovado e aquelas observadas na obra executada.

Art. 34. O Certificado de Conclusão é o documento hábil para a comprovação da regularidade da edificação, sendo válido quando acompanhado das peças gráficas aprovadas referentes ao Alvará de Execução, inclusive para fins de registro no Cartório de Registro de Imóveis.

Art. 35. O pedido de Certificado de Conclusão deve ser instruído com:

I – declaração do profissional responsável pela obra, atestando a sua conclusão e execução de acordo com as normas técnicas aplicáveis e as disposições da legislação municipal, em especial deste Código;

II – documentos e licenças eventualmente ressalvadas no Alvará de Execução.

Parágrafo único. O cadastro de elevador e demais equipamentos mecânicos de transporte permanente, de tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins e de equipamento de sistema especial de segurança da edificação nos respectivos sistemas da Prefeitura é requisito para a emissão do Certificado de Conclusão, quando for o caso.

Subseção IV

Do Certificado de Regularização

Art. 36. Mediante procedimento administrativo e a pedido do proprietário ou possuidor, a Prefeitura expede Certificado de Regularização quando da conclusão de obra ou serviço executado sem prévia licença da Prefeitura, para o qual seja obrigatória a emissão de Alvará de Execução, desde que observadas:

I – as prescrições da LOE e LPUOS vigentes durante o período da construção e a edificação esteja adaptada às condições de segurança e acessibilidade estabelecidas neste Código;

II – a legislação edilícia e urbanística vigente na ocasião da emissão do Certificado de Regularização.

§ 1º Para a aplicação do disposto no inciso I do “caput” deste artigo a edificação destinada a uso residencial unifamiliar e conjunto residencial horizontal cujas unidades tenham acesso direto para o logradouro público, também devem ser consideradas as leis de anistia e de regularização específicas publicadas no período referido nesse dispositivo, assim como toda a legislação posterior que possibilite a regularização da edificação.

§ 2º Pode ser aceita divergência de, no máximo, 5% (cinco por cento) entre as medidas lineares e quadradas exigidas na LOE e LPUOS e aquelas observadas na obra executada.

Art. 37. O Certificado de Regularização é o documento hábil para a comprovação da regularidade da edificação que não tenha sido objeto de Alvará de Execução e de Certificado de Conclusão, sendo válido quando acompanhado das peças gráficas aprovadas referentes à edificação, obra ou serviço executado, inclusive para fins de registro no Cartório de Registro de Imóveis, substituindo o Certificado de Conclusão.

Art. 38. O pedido de Certificado de Regularização deve ser instruído com:

I – documentação referente ao imóvel;

II – peças gráficas do projeto simplificado da edificação executada, assinadas por profissional habilitado, conforme estabelecido neste Código e decreto regulamentar;

III – levantamento topográfico para a verificação das dimensões, área e localização do imóvel, quando necessário;

IV – declaração assinada por profissional habilitado, atestando que a obra está concluída e em conformidade com as disposições do art. 36 deste Código e legislação correlata;

V – outros documentos e licenças exigidos na legislação municipal, conforme o caso.

Parágrafo único. O cadastro de elevador e demais equipamentos mecânicos de transporte permanente, de tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins e de equipamento de sistema especial de segurança da edificação nos respectivos sistemas da Prefeitura é requisito para a emissão do Certificado de Regularização, quando for o caso.

Subseção V

Do Certificado de Acessibilidade

Art. 39. Mediante procedimento administrativo e a pedido do proprietário ou possuidor, a Prefeitura expede Certificado de Acessibilidade quando da conclusão da adaptação da edificação existente às condições de acessibilidade às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, conforme as disposições deste Código, normas regulamentares, normas técnicas e legislação correlata.

Art. 40. Devem ser adaptadas às condições de acessibilidade as edificações existentes destinadas ao uso:

I – público, entendida como aquela administrada por órgão ou entidade da Administração Pública Direta e Indireta ou por empresa prestadora de serviço público e destinada ao público em geral;

II – coletivo, entendida como aquela destinada à atividade não residencial;

III – privado, entendida como aquela destinada à habitação classificada como multifamiliar.

§ 1º Na edificação habitacional multifamiliar todas as áreas comuns devem ser acessíveis.

§ 2º O atendimento ao disposto no “caput” deste artigo pode ser dispensado quando a adaptação necessária à edificação acarretar ônus desproporcional ou indevido ao seu proprietário ou possuidor, desde que tecnicamente justificado, conforme definido em regulamento.

Art. 41. O pedido de Certificado de Acessibilidade deve ser instruído com:

I – documentação referente ao imóvel;

II – peças gráficas do projeto simplificado das obras e serviços de adaptação propostos, assinadas por profissional habilitado, conforme estabelecido neste Código e decreto regulamentar;

III – declaração do profissional responsável pela obra, atestando a sua conclusão e execução de acordo com as disposições da legislação municipal e, em especial, deste Código, bem como das normas pertinentes à acessibilidade no interior da edificação na data do protocolo do processo.

Parágrafo único. O cadastro de elevador e demais equipamentos mecânicos de transporte permanente nos sistemas da Prefeitura é requisito para a emissão do Certificado de Acessibilidade, quando for o caso.

Art. 42. O Certificado de Acessibilidade pode ser requerido junto com o Certificado de Regularização ou Certificado de Segurança relativo à edificação.

Subseção VI

Do Certificado de Segurança

Art. 43. Mediante procedimento administrativo e a pedido do proprietário ou possuidor, a Prefeitura expede Certificado de Segurança, documento que comprova a adaptação da edificação existente às condições de segurança de uso, conforme o disposto neste Código, as normas técnicas aplicáveis e a legislação correlata.

Parágrafo único. O Certificado de Segurança deve incluir o Certificado de Acessibilidade caso a edificação ainda não tenha este documento.

Art. 44. O pedido de Certificado de Segurança deve ser instruído com:

I – documentação referente ao imóvel;

II – peças gráficas do projeto simplificado das obras e serviços de adaptação propostos, assinadas por profissional habilitado;

III – declaração assinada por profissional habilitado, atestando a conformidade da edificação às disposições deste Código e legislação correlata;

IV – Certificado de Acessibilidade ou documentação exigida neste Código para a sua emissão, quando for o caso;

V – outras declarações referentes às condições de uso dos equipamentos, exigidas em legislação municipal.

Parágrafo único. O cadastro de elevador e demais equipamentos mecânicos de transporte permanente, de tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins e de equipamento de sistema especial de segurança da edificação nos sistemas da Prefeitura é requisito para a emissão do Certificado de Segurança, quando for o caso.

Subseção VII

Do Alvará de Autorização

Art. 45. Mediante procedimento administrativo e a pedido do proprietário ou possuidor, a Prefeitura concede Alvará de Autorização para:

I – implantação ou utilização de edificação transitória ou equipamento transitório, incluído estande de vendas no mesmo local de implantação da obra;

II – utilização temporária de edificação licenciada para uso diverso;

III – avanço de tapume sobre parte do passeio público;

IV – avanço de grua sobre o espaço público;

V – instalação de canteiro de obras e estande de vendas em imóvel distinto daquele em que a obra será executada.

Art. 46. O pedido de Alvará de Autorização deve ser instruído com:

I – documentação referente ao imóvel;

II – peças gráficas do projeto simplificado da edificação assinadas por profissional habilitado, quando for o caso;

III – declaração assinada por profissional habilitado, atestando a conformidade da edificação às disposições deste Código e legislação correlata;

IV – outros documentos e licenças exigidos na legislação municipal, conforme o caso.

§ 1º O cadastro de elevador e demais equipamentos mecânicos de transporte permanente, de tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins e de equipamento de sistema especial de segurança da edificação nos respectivos sistemas da Prefeitura é requisito para a emissão do Alvará de Autorização, quando for o caso.

§ 2º O Alvará de Autorização de que trata o “caput” deste artigo perde a eficácia no prazo de 6 (seis) meses, podendo ser revalidado uma vez por igual período, a pedido do interessado.

Subseção VIII

Do Cadastro e Manutenção de Equipamentos

Art. 47. Mediante procedimento administrativo, o proprietário ou possuidor deve cadastrar nos sistemas da Prefeitura os seguintes equipamentos:

I – equipamento mecânico de transporte permanente, tais como elevador, escada rolante e plataforma de elevação;

II – tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins;

III – equipamento de sistema especial de segurança da edificação, nos termos deste Código.

Art. 48. O cadastro deve ser instruído com:

I – peças gráficas e memorial com a descrição e localização de cada equipamento, assinada por profissional habilitado;

II – declaração assinada por profissional habilitado, atestando que o equipamento foi instalado conforme o projeto aprovado e atende às normas técnicas aplicáveis e às disposições da legislação municipal na data do protocolo.

Art. 49. O responsável técnico pela manutenção das condições de uso do equipamento deve renovar o cadastro, sob pena de caducidade e aplicação das sanções previstas neste Código, a cada período de:

I – 1 (um) ano, no caso de elevador e demais equipamentos mecânicos de transporte permanente;

II – 5 (cinco) anos, no caso de tanque de armazenagem, bomba, filtro de combustível e equipamentos afins e de equipamento de sistema especial de segurança da edificação.

Subseção IX

Da Ficha Técnica e Diretrizes de Projeto

Art. 50. A pedido do interessado, a Prefeitura emite Ficha Técnica do imóvel, da qual devem constar as informações relativas ao uso e ocupação do solo, à incidência de melhoramentos urbanísticos e aos demais dados cadastrais disponíveis.

Art. 51. A pedido do interessado, a Prefeitura analisa consultas para o esclarecimento quanto à aplicação do PDE, LPUOS e COE em projetos arquitetônicos e emite as Diretrizes de Projeto.

Parágrafo único. O pedido deve ser instruído com documentação e peças gráficas que permitam o entendimento do projeto e da consulta formulada.

CAPÍTULO III

DAS TAXAS

Art. 52. A Taxa para Exame e Verificação dos Pedidos de Documentos de Controle da Atividade Edilícia – TEV/COE, fundada no poder de polícia do Município, tem como fato gerador os pedidos de alvará, certificado, autorização, cadastro e manutenção previstos neste Código.

§ 1º Considera-se ocorrido o fato gerador no ato do protocolo dos pedidos de documentos e do cadastro de equipamentos.

§ 2º A fixação da alíquota, base de cálculo e ocorrência do fato gerador, correspondentes a cada espécie de pedido, tem como base a Tabela constante do Anexo II deste Código.

§ 3º A taxa deve ser integralmente recolhida no momento da ocorrência do fato gerador, pelo proprietário ou possuidor do imóvel ou por quem efetivar o pedido.

§ 4º Na omissão total ou parcial do recolhimento de eventual diferença, cabe lançamento de ofício, regularmente notificado o sujeito passivo, com prazo de 30 (trinta) dias para pagamento ou impugnação administrativa.

§ 5º O valor da taxa deve ser atualizado anualmente, em 1º de fevereiro, pela variação do Índice de Preços ao Consumidor Amplo – IPCA, apurado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, ou por outro índice que venha a substituí-lo, verificada entre janeiro e dezembro do exercício anterior.

§ 6º O débito resultante do procedimento previsto no § 4º deste artigo não pago até a data do vencimento deve ser atualizado da forma e pelo índice de correção estabelecidos na Lei nº 10.734, de 30 de junho de 1989, com a redação dada pela Lei nº 13.275, de 4 de janeiro de 2002, e acrescido de juros moratórios calculados à taxa de 0,33% (trinta e três centésimos por cento), por dia de atraso, sobre o valor do débito, até o limite de 20% (vinte por cento), sem prejuízo, quando for o caso, do acréscimo de honorários advocatícios, custas e demais despesas judiciais, conforme a legislação municipal pertinente.

Art. 53. Ficam isentos do pagamento da TEV/COE e dispensados do pagamento dos preços públicos os pedidos relativos a Empreendimento Habitacional de Interesse Social em ZEIS – EZEIS, Empreendimento Habitacional de Interesse Social – EHIS, Empreendimento Habitacional do Mercado Popular – EHMP, Habitação de Interesse Social – HIS, Habitação de Mercado Popular – HMP e moradia econômica, definidos em legislação municipal.

§ 1º Também são isentos os pedidos relativos a:

I – estabelecimento de ensino mantido por instituição sem fins lucrativos;

II – hospital mantido por instituição sem fins lucrativos;

III – templo religioso.

§ 2º A isenção prevista no “caput” deste artigo estende-se aos demais programas habitacionais promovidos pelo setor público ou por entidades sob o controle acionário do Poder Público, bem como aos programas promovidos por sociedades civis sem fins lucrativos conveniadas com a Secretaria Municipal de Habitação.

§ 3º A Prefeitura pode fornecer gratuitamente projetos de arquitetura e executivo para a construção de moradia econômica.

§ 4º Mediante convênio a ser firmado com o órgão de classe de engenheiros e arquitetos, a Prefeitura pode fornecer ainda, gratuitamente, assistência e responsabilidade técnica de profissional habilitado, para o acompanhamento das obras.

Art. 54. Também ficam isentos do pagamento da TEV/COE e dispensados do pagamento dos preços públicos os pedidos referentes a empreendimentos públicos do Município, Estado e União e das entidades da Administração Pública Indireta.

Parágrafo único. O disposto no “caput” aplica-se aos pedidos referentes a edificação nova, reforma, requalificação e reconstrução de edificação existente, com ou sem mudança de uso, em imóvel público reversível de entidade da administração direta e indireta.

CAPÍTULO IV

DOS PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS

Seção I

Dos Procedimentos Gerais

Art. 55. O pedido instruído pelo interessado deve ser analisado conforme a sua natureza, observadas as normas municipais, em especial as prescrições da LOE, PDE, LPUOS, sem prejuízo da observância das disposições estaduais e federais pertinentes.

§ 1º O pedido deve ser instruído com todos os elementos necessários à sua apreciação, nos termos das normas legais e regulamentares.

§ 2º Todos os documentos exigidos para a instrução dos pedidos podem ser substituídos por equivalentes eletrônicos ou por documentos disponíveis nos cadastros e bancos de dados da Prefeitura.

§ 3º Os diversos pedidos referentes ao mesmo imóvel, bem como os recursos contra os respectivos despachos, podem ser analisados em um único processo.

Art. 56. O pedido deve ser deferido se o processo estiver devidamente instruído e o projeto observar a legislação pertinente à matéria.

Art. 57. O processo que apresentar elementos incompletos ou incorretos ou necessitar de complementação da documentação ou esclarecimentos deve ser objeto de um único comunicado (“comunique-se”) para que as falhas sejam sanadas.

Parágrafo único. O prazo para atendimento do comunicado é de 30 (trinta) dias contados da data da sua publicação, podendo, ser prorrogado, uma única vez, por igual período.

Art. 58. No pedido de Certificado de Regularização e nos pedidos de Certificado de Acessibilidade e Certificado de Segurança, quando houver necessidade de execução de obras ou serviços para a adaptação da edificação às normas técnicas aplicáveis, podem ser emitidas, respectivamente:

I – Notificação de Exigências Complementares – NEC, com prazo de até 180 (cento e oitenta) dias;

II – Intimação para Execução de Obras e Serviços – IEOS, com prazo de até 180 (cento e oitenta) dias.

Parágrafo único. Nos casos previstos no “caput” deste artigo, a pedido do interessado, por motivo justificado, o prazo pode ser prorrogado uma única vez por igual período.

Art. 59. O pedido deve ser indeferido nas seguintes situações:

I – ausência da documentação exigida ou projeto apresentado com insuficiência de informação de modo a impedir a análise e decisão do pedido;

II – projeto com infrações insanáveis frente ao disposto no PDE e na LPUOS;

III – não atendimento ao “comunique-se” no prazo concedido;

IV – não atendimento à NEC no prazo concedido;

V – não atendimento à IEOS no prazo concedido;

VI – alteração do uso do projeto de edificação.

Art. 60. O prazo para a interposição de recurso é de 30 (trinta) dias a contar da data da publicação do despacho de indeferimento, após o qual o processo deve ser arquivado, sem prejuízo da ação fiscal correspondente e cobrança das taxas devidas.

Art. 61. Os prazos fixados neste Código são contados em dias corridos, a partir do primeiro dia útil após o evento de origem até o seu dia final inclusive.

Parágrafo único. Caso não haja expediente no dia final do prazo, prorroga-se automaticamente o seu término para o dia útil imediatamente posterior.

Art. 62. Os prazos de validade do Alvará de Aprovação e do Alvará de Execução ficam suspensos enquanto perdurar qualquer um dos seguintes impedimentos ao início ou prosseguimento da obra:

I – decisão judicial determinando ou que implique a paralisação ou o não início da obra;

II – calamidade pública;

III – declaração de utilidade pública ou interesse social.

Art. 63. Os documentos de controle da atividade edilícia de que trata este Código podem, enquanto vigentes, a qualquer tempo, mediante ato da autoridade competente, ser:

I – revogados, atendendo a relevante interesse público;

II – cassados, em caso de desvirtuamento, por parte do interessado, da licença concedida ou de descumprimento de exigência estabelecida em sua emissão;

III – anulados, em caso de comprovação de ilegalidade em sua expedição.

Art. 64. O Certificado de Conclusão, o Certificado de Regularização, o Certificado de Acessibilidade e o Certificado de Segurança perdem sua eficácia caso ocorram alterações de ordem física no imóvel em relação às condições regularmente aceitas pela Prefeitura.

Art. 65. O Alvará de Autorização é expedido a título precário, podendo ser cancelado a qualquer tempo por desvirtuamento de seu objeto ou desinteresse em sua manutenção ou revalidação.

Art. 66. O cadastro de equipamentos perde a eficácia caso ocorra alteração de ordem física no equipamento em relação às condições regularmente cadastradas na Prefeitura ou caso a respectiva renovação não seja solicitada dentro do prazo legal.

Art. 67. Constatada a qualquer tempo a não veracidade das declarações apresentadas nos pedidos de que trata esta lei, aplicam-se, ao proprietário ou possuidor e profissionais envolvidos, as penalidades administrativas previstas neste Código, sem prejuízo das sanções criminais cabíveis.

§ 1º A atuação irregular do profissional deve ser comunicada ao órgão federal fiscalizador do exercício profissional.

§ 2º Caso haja elementos que indiquem a prática de infração penal, a Prefeitura comunicará o fato à autoridade policial competente.

Art. 68. Caso se tenha notícia de fato que possa ensejar a cassação ou anulação do documento expedido, nos termos dos incisos II e III do art. 63 deste Código, a Prefeitura deve notificar o interessado para a apresentação de defesa no prazo de 30 (trinta) dias, de forma a garantir o contraditório e a ampla defesa, podendo, na defesa, comprovar ter sido sanada a irregularidade.

§ 1º Por motivo relevante ou para evitar prejuízo de difícil reparação, a Prefeitura pode suspender os efeitos do documento emitido até decisão sobre sua anulação ou cassação.

§ 2º Decorrido o prazo para defesa, a Prefeitura pode efetuar as diligências cabíveis e pedir esclarecimentos a outro órgão público envolvido.

§ 3º No prazo de 30 (trinta) dias, a autoridade deve decidir a respeito da anulação ou cassação do documento.

Seção II

Das Instâncias e Prazos para Despacho

Art. 69. As instâncias administrativas para a apreciação e decisão dos pedidos de que trata este Código, protocolados a partir da data de sua vigência, são as seguintes:

I – para os pedidos de competência da Secretaria Municipal de Licenciamento:

a) Diretor de Divisão Técnica;

b) Coordenador;

c) Secretário Municipal de Licenciamento;

II – para os pedidos de competência das Subprefeituras:

a) Supervisor Técnico de Uso do Solo e Licenciamentos;

b) Coordenador de Planejamento e Desenvolvimento Urbano;

c) Subprefeito.

§ 1º Cabe recurso à autoridade imediatamente superior àquela que proferiu a decisão.

§ 2º A competência para a apreciação dos pedidos e decisão em primeira instância pode ser delegada aos técnicos e chefes de seção, mediante portaria do Secretário Municipal de Licenciamento ou do Secretário Municipal de Coordenação das Subprefeituras, mantida a competência originária para a apreciação e decisão dos recursos.

§ 3º Os despachos do Secretário Municipal de Licenciamento e dos Subprefeitos em grau de recurso, bem como o decurso do prazo recursal encerram definitivamente a instância administrativa.

Art. 70. O prazo para a decisão dos pedidos não pode exceder 90 (noventa) dias, inclusive quando se tratar de recurso.

§ 1º Prazos diferentes podem ser fixados por ato do Executivo, em função da complexidade da análise do pedido.

§ 2º O curso do prazo fixado no “caput” deste artigo fica suspenso durante a pendência do atendimento, pelo interessado, das exigências feitas no “comunique-se”.

Art. 71. Escoado o prazo para a decisão do processo de Alvará de Aprovação, o interessado pode requerer o Alvará de Execução.

§ 1º Decorridos 30 (trinta) dias contados da data do protocolo do pedido do Alvará de Execução, caso o processo não tenha sido indeferido, a obra pode ser iniciada, sendo de inteira responsabilidade do proprietário ou possuidor e profissionais envolvidos a adequação da obra às posturas municipais.

§ 2º Quando solicitado Alvará de Aprovação e de Execução em conjunto, o prazo para a decisão é de 120 (cento e vinte) dias.

§ 3º Nos casos de incidência de outorga onerosa, o início da obra fica condicionado à comprovação de seu pagamento.

Seção III

Dos Procedimentos Especiais

Art. 72. O Executivo regulamentará, no prazo de 90 (noventa) dias, os procedimentos, exigências e prazos diferenciados para exame de pedidos relativos ao licenciamento de:

I – empreendimento da Administração Pública Direta e Indireta;

II – Empreendimento Habitacional de Interesse Social em ZEIS – EZEIS, Empreendimento Habitacional de Interesse Social – EHIS, Empreendimento Habitacional do Mercado Popular – EHMP, Habitação de Interesse Social – HIS, Habitação de Mercado Popular – HMP e moradia econômica, definidos em legislação específica;

III – polo gerador de tráfego;

IV – empreendimento gerador de impacto ambiental;

V – empreendimento gerador de impacto de vizinhança;

VI – empreendimento com alto potencial de risco de incêndios e situações de emergência;

VII – empreendimento que envolva usos especiais ou incômodos;

VIII – residência unifamiliar, serviços, obras e empreendimentos que, por sua natureza, admitam procedimentos simplificados.

Parágrafo único. No licenciamento de residência unifamiliar pode ser emitido um único documento que englobe os alvarás de aprovação e execução.

CAPÍTULO V

DA EDIFICAÇÃO EXISTENTE

Seção I

Da Edificação Regular

Art. 73. Para os fins de aplicação deste Código, a edificação existente é considerada regular quando:

I – tiver Certificado de Conclusão ou documento equivalente;

II – constar do Setor de Edificações Regulares do Cadastro de Edificações do Município.

Parágrafo único. A edificação cuja área seja menor ou apresente divergência de, no máximo, 5% (cinco por cento) para maior em relação à área constante do documento utilizado para a comprovação de sua regularidade é considerada como regular para fins de aplicação da LPUOS e COE, em especial as disposições deste Capítulo V.

Seção II

Da Reforma

Art. 74. A edificação regularmente existente pode ser reformada desde que a edificação resultante não crie nem agrave eventual desconformidade com a LOE, PDE ou LPUOS.

Art. 75. A edificação existente irregular, no todo ou em parte, que atenda ao disposto na LOE, PDE ou LPUOS pode ser regularizada e reformada, expedindo-se o Certificado de Regularização para a área a ser regularizada e Alvará de Aprovação para a reforma pretendida.

Art. 76. A edificação irregular, no todo ou em parte, que não atenda na parte irregular ao disposto na LOE, PDE ou LPUOS pode ser reformada desde que seja prevista a supressão da infração.

Parágrafo único. No caso previsto no “caput” deste artigo, o Certificado de Conclusão para a reforma, parcial ou total, só pode ser concedido após a supressão da infração.

Seção III

Da Requalificação

Art. 77. A edificação existente licenciada de acordo com a legislação edilícia vigente anteriormente a 23 de setembro de 1992, data da entrada em vigor da Lei nº 11.228, de 25 de junho de 1992, e com área regular lançada no Cadastro de Edificações do Município pelo período mínimo de 10 (dez) anos, independentemente de sua condição de regularidade na data do protocolo do pedido, pode ser requalificada, nos termos deste Código.

Art. 78. Na requalificação, são aceitas soluções que, por implicação de caráter estrutural, não atendam às disposições previstas na LOE, PDE ou LPUOS, desde que não comprometam a salubridade, nem acarretem redução de acessibilidade e de segurança de uso.

§ 1º As disposições deste artigo referem-se a condições existentes de implantação, iluminação, insolação, circulação, acessibilidade, estacionamento de veículos e segurança de uso da edificação.

§ 2º O projeto deve observar soluções de acessibilidade que atendam aos princípios da adaptação razoável de acordo com o estabelecido neste Código.

Seção IV

Da Reconstrução

Art. 79. A edificação regular pode ser reconstruída, no todo ou em parte, em caso de ocorrência de incêndio ou outro sinistro.

§ 1º Na reconstrução, deve ser prevista a adaptação da edificação às condições de segurança de uso e de acessibilidade de acordo com o estabelecido neste Código.

§ 2º No caso previsto no § 1º deste artigo ou quando se pretenda introduzir alterações em relação à edificação anteriormente existente, a área a ser acrescida deve ser analisada como reforma.

Art. 80. A Prefeitura pode recusar, no todo ou em parte, a reconstrução nos moldes anteriores de edificação com índices e volumetria em desacordo com o disposto na LOE, PDE ou LPUOS que seja considerada prejudicial ao interesse urbanístico.

CAPÍTULO VI

DOS PROCEDIMENTOS FISCALIZATÓRIOS RELATIVOS À

ATIVIDADE EDILÍCIA

Seção I

Verificação da Regularidade da Obra

Art. 81. Toda obra, edificação, serviço e equipamento pode, a qualquer tempo, ser vistoriado pela Prefeitura para a verificação do cumprimento das normas estabelecidas neste Código.

Art. 82. Deve ser mantido, no local da obra ou serviço, o documento que comprova o licenciamento da atividade edilícia em execução, sob pena de lavratura de autos de intimação e de multa, nos termos deste Código e legislação pertinente à matéria, ressalvada a situação prevista no art. 14 deste Código.

Art. 83. Constatada irregularidade na execução da obra, devem ser adotados os seguintes procedimentos:

I – para a obra sem licença expedida pela Prefeitura, ao proprietário ou possuidor, devem ser lavrados, concomitantemente:

a) auto de multa por execução da obra sem licença;

b) auto de embargo;

c) auto de intimação para adotar as providências visando à solução da irregularidade no prazo de 5 (cinco) dias;

II – pelo desvirtuamento da licença, ao proprietário ou possuidor e ao responsável técnico pela obra, devem ser lavrados:

a) auto de intimação para adotar as providências visando à solução da irregularidade no prazo de 5 (cinco) dias e auto de multa por execução da obra com desvirtuamento da licença;

b) no caso do desatendimento da intimação, auto de embargo e correspondente auto de multa de embargo;

III – pelo desatendimento de qualquer disposição deste Código, devem ser lavrados:

a) auto de intimação para adotar as providências visando ao atendimento da disposição deste Código no prazo de 5 (cinco) dias;

b) auto de multa correspondente à infração.

§ 1º Durante o embargo, fica permitida somente a execução dos serviços indispensáveis à eliminação das infrações que o motivaram, observadas as exigências da legislação pertinente à matéria.

§ 2º O embargo cessa somente após:

I – a eliminação das infrações que o motivaram, em se tratando de obra com licença;

II – a expedição de Alvará de Autorização ou Alvará de Execução, em se tratando de obra sem licença.

Art. 84. A Prefeitura, nos 5 (cinco) dias subsequentes ao embargo, deve vistoriar a obra e, se constatada resistência ao embargo, adotar os seguintes procedimentos:

I – aplicar multas diárias, ao proprietário ou ao possuidor e ao responsável técnico pela obra, até a sua paralisação ou até que a regularização da situação seja comunicada ao setor competente e confirmada pela Prefeitura no prazo de 5 (cinco) dias contados da data do protocolo da comunicação;

II – caso a aplicação das multas diárias se mostre insuficiente, solicitar auxílio policial bem como providenciar os meios necessários ao imediato cumprimento do embargo, tais como a apreensão de materiais e o desmonte ou lacração de equipamentos e edificações transitórias, lavrando o respectivo auto;

III – noticiar imediatamente, à autoridade policial, o desrespeito ao embargo, requerendo a instauração de inquérito policial para a apuração da responsabilidade do infrator por crime de desobediência.

Parágrafo único. Para os fins do disposto neste Código, considera-se resistência ao embargo o prosseguimento dos trabalhos no imóvel sem a eliminação das irregularidades exigidas no auto de intimação.

Art. 85. Esgotadas todas as providências administrativas para a paralisação da obra, o servidor municipal deve:

I – extrair cópia das principais peças do processo administrativo para encaminhamento à Delegacia de Polícia, a fim de instruir o inquérito policial;

II – expedir ofícios ao CREA ou CAU com as informações do processo administrativo para a apuração da responsabilidade profissional;

III – encaminhar o processo original ao setor jurídico para manifestação e posterior encaminhamento ao Departamento Judicial da Procuradoria Geral do Município para as providências de ajuizamento da ação judicial cabível, sem prejuízo da incidência de multas diárias, em processo próprio, caso persistam as irregularidades.

Art. 86. Constatada situação de risco, em vistoria técnica realizada por servidor com competência específica, além das autuações referidas nos arts. 82 a 84 deste Código, deve ser imediatamente lavrado o auto de interdição, seguindo-se, no que couber, os procedimentos previstos na Seção II deste Capítulo.

Parágrafo único. Na hipótese prevista no “caput” deste artigo, pode ocorrer o levantamento parcial do embargo para o fim específico da execução das medidas necessárias à eliminação do risco, ficando condicionado à apresentação de ART ou RRT relacionando os serviços a serem executados e seu cronograma de execução.

Seção II

Da Verificação da Estabilidade, Segurança e Salubridade

da Obra

Art. 87. Verificada a inexistência de condições de estabilidade, segurança ou salubridade de uma obra, edificação, serviço ou equipamento, o proprietário ou o possuidor e o responsável técnico pela obra devem ser intimados a dar início às medidas necessárias à solução da irregularidade no prazo de 5 (cinco) dias, devendo ainda ser lavrado o auto de interdição total ou parcial do imóvel, dando-se ciência aos proprietários e ocupantes.

§ 1º No caso de a irregularidade constatada apresentar perigo de ruína ou contaminação, ocorrerá, se necessário, a interdição do entorno do imóvel.

§ 2º O não cumprimento da intimação para a regularização necessária ou interdição implica responsabilidade exclusiva do infrator, eximindo-se a Prefeitura da responsabilidade pelos danos decorrentes de eventual sinistro.

§ 3º Durante a interdição, fica permitida somente a execução dos serviços indispensáveis à eliminação da irregularidade constatada.

Art. 88. Decorrido o prazo concedido, a Prefeitura deve adotar as seguintes medidas:

I – pelo desatendimento da intimação, aplicar multas diárias ao infrator até que sejam adotadas as medidas exigidas;

II – verificada a desobediência à interdição:

a) solicitar auxílio policial para o imediato cumprimento da interdição, lavrando o respectivo auto;

b) noticiar imediatamente, à autoridade policial, o desrespeito à interdição, requerendo a instauração de inquérito policial para a apuração da responsabilidade do infrator por crime de desobediência;

c) encaminhar o processo para as providências de ajuizamento da ação judicial cabível, sem prejuízo da incidência de multas diárias caso persista o desatendimento da intimação prevista no inciso I deste artigo.

Art. 89. O atendimento da intimação não desobriga o proprietário ou possuidor e o responsável técnico pela obra do cumprimento das formalidades necessárias à regularização da obra, sob pena de aplicação das sanções cabíveis.

Art. 90. O proprietário ou possuidor do imóvel que constatar perigo de ruína ou contaminação pode, devidamente assistido por profissional habilitado, dar início imediato às obras de emergência, comunicando o fato, por escrito, à Prefeitura e justificando e informando a natureza dos serviços a serem executados, observadas as exigências da legislação pertinente à matéria.

Seção III

Das Penalidades

Art. 91. A inobservância de qualquer disposição deste Código constitui infração sujeita à aplicação das penalidades previstas na Tabela de Multas constante do seu Anexo III.

Art. 92. As penalidades previstas por desrespeito às normas deste Código aplicam-se também em relação a imóveis de valor cultural, histórico, artístico, paisagístico ou ambiental preservados ou a serem preservados e, ainda, a imóveis que, em razão do seu gabarito de altura e recuos, sejam necessários à preservação da volumetria do entorno, sem prejuízo da incidência das penalidades previstas em legislação própria.

Art. 93. A edificação concluída sem a obtenção de Certificado de Conclusão enseja a intimação do infrator para, no prazo de 5 (cinco) dias, solicitar o documento à Prefeitura, sob pena de lavratura do correspondente auto de multa.

§ 1º O pedido de Certificado de Conclusão suspende a ação fiscalizatória até a emissão desse documento ou o indeferimento do pedido, o que ocorrer primeiro.

§ 2º A multa será reaplicada a cada 90 (noventa) dias até a regularização da edificação, limitado esse período a 1 (um) ano.

Art. 94. A edificação concluída sem a obtenção de Certificado de Acessibilidade e de Certificado de Segurança enseja a intimação do infrator para, no prazo de 5 (cinco) dias, solicitar o documento à Prefeitura, sob pena de lavratura do correspondente auto de multa.

§ 1º O pedido de Certificado de Acessibilidade ou de Certificado de Segurança suspende a ação fiscalizatória até a emissão desse documento ou o indeferimento do pedido, o que ocorrer primeiro.

§ 2º A multa será reaplicada a cada 90 (noventa) dias até a regularização da edificação, limitado esse período a 1 (um) ano.

Art. 95. Para os efeitos deste Código, considera-se infrator o proprietário ou possuidor do imóvel e, quando for o caso, o responsável técnico pela obra.

§ 1º O infrator deve ser notificado pessoalmente ou por via postal, com aviso de recebimento, ou, ainda, por edital nas hipóteses de recusa do recebimento da notificação ou de sua não localização.

§ 2º O infrator considera-se notificado quando encaminhada a notificação por via postal ao endereço constante do cadastro da Municipalidade.

§ 3º Quando prevista a aplicação de multa ao proprietário ou possuidor e ao responsável técnico pela obra, a responsabilidade é solidária, considerando-se ambos os infratores.

§ 4º Os sucessores do proprietário ou do possuidor do imóvel também respondem pelas penalidades.

Art. 96. Contra os atos de fiscalização previstos neste Código, cabe defesa ao Supervisor Técnico de Fiscalização, da Subprefeitura, no prazo de 15 (quinze) dias, contados:

I – para a intimação e o embargo, a partir da data da respectiva notificação;

II – para a multa, a partir da data de sua publicação no Diário Oficial da Cidade.

§ 1º Contra o despacho decisório que desacolher a defesa, caberá um único recurso, ao Subprefeito, no prazo de 15 (quinze) dias contados da data da publicação do despacho.

§ 2º As defesas e recursos suspendem a exigibilidade dos autos de multa impugnados.

§ 3º A defesa contra o auto de embargo não suspende a ação fiscalizatória e não obsta a aplicação de outras multas previstas neste Código.

Art. 97. Ao proprietário ou possuidor devem ser aplicadas multas nos valores indicados na Tabela de Multas e, ao responsável técnico pela obra, multas na proporção de 80% (oitenta por cento) dos referidos valores.

Art. 98. A reincidência da infração, assim considerada a referente à mesma obra e ao mesmo documento, gera a aplicação das penalidades com acréscimo de 20% (vinte por cento) a cada reincidência, até o limite de 2 (duas) vezes o valor da multa inicial.

Art. 99. Para a aplicação dos dispositivos deste Capítulo, os prazos devem ser dilatados até o triplo dos prazos previstos e reduzidos os valores das multas em 90% (noventa por cento) dos valores devidos para:

I – as moradias econômicas;

II – os templos religiosos.

Art. 100. O valor da multa deve ser atualizado anualmente em 1º de fevereiro, pela variação do IPCA, apurado pelo IBGE, ou por outro índice que venha a substituí-lo, verificada entre janeiro e dezembro do exercício anterior.

Art. 101. Quando não paga até a data do vencimento, o valor da multa deve ser atualizado da forma e pelo índice de correção estabelecidos na Lei nº 10.734, de 1989, com a redação dada pela Lei nº 13.275, de 2002, e acrescido de juros moratórios calculados à taxa de 0,33% (trinta e três centésimos por cento), por dia de atraso, sobre o valor do débito, até o limite de 20% (vinte por cento), sem prejuízo, quando for o caso, do acréscimo de honorários advocatícios, custas e demais despesas judiciais, conforme a legislação municipal pertinente.

CAPÍTULO VII

DO ALINHAMENTO E DO MELHORAMENTO VIÁRIO

Art. 102. Para os fins deste Código, consideram-se fixados os atuais alinhamentos e nivelamento dos logradouros públicos existentes no Município de São Paulo, oficializados ou pertencentes a loteamento aceito ou regularizado, bem como daqueles oriundos de melhoramento viário executado sob a responsabilidade do Poder Público Municipal, Estadual ou Federal.

Parágrafo único. No caso de indefinição, a pedido do interessado, a Prefeitura deve fornecer o alinhamento e nivelamento, mediante a emissão de certidão.

Art. 103. Enquanto não executados, devem ser observados os novos alinhamentos aprovados constantes das leis de melhoramento viário.

Parágrafo único. O disposto no “caput” deste artigo não se aplica aos planos de melhoramento publicados anteriormente a 8 de novembro de 1988, data da entrada em vigor da Lei nº 10.676, de 7 de novembro de 1988, desde que não exista declaração de utilidade pública em vigor por ocasião da emissão da aprovação do projeto.

Art. 104. A alteração de alinhamento de logradouro público que importe em alargamento, estreitamento ou retificação, total ou parcial, deve ser objeto de plano de melhoramento viário aprovado por lei.

Parágrafo único. A alteração de nivelamento de logradouro público, parcial ou em toda sua extensão, pode ser definida por ato do Executivo.

Art. 105. É permitida a execução de qualquer obra em imóvel totalmente atingido por plano de melhoramento público e sem declaração de utilidade pública ou de interesse social em vigor, observado o disposto na LOE, PDE e LPUOS.

§ 1º No caso de declaração de utilidade pública ou de interesse social em vigor, permite-se a execução de qualquer obra, a título precário, observado o disposto na LOE, PDE e LPUOS, não sendo devida ao proprietário qualquer indenização pela benfeitoria ou acessão quando da execução do melhoramento público.

§ 2º Considera-se também como totalmente atingido por melhoramento público o imóvel:

I – cujo remanescente não possibilite a execução de edificação que atenda ao disposto na LOE, PDE e LPUOS;

II – no qual, por decorrência de nova situação de nivelamento do logradouro, seja dificultada a implantação de edificações, a critério da Prefeitura.

Art. 106. A edificação nova e as novas partes da edificação existente, nas reformas com aumento de área executadas em imóvel parcialmente atingido por plano de melhoramento público aprovado por lei e sem declaração de utilidade pública ou de interesse social em vigor, devem observar as seguintes disposições:

I – atender aos recuos mínimos obrigatórios, à taxa de ocupação e ao coeficiente de aproveitamento estabelecidos no PDE e LPUOS, em relação ao lote original;

II – observar soluções que garantam, após a execução do plano de melhoramento público, o pleno atendimento, pelas edificações remanescentes, das disposições previstas na LOE, PDE e LPUOS em relação ao lote resultante da desapropriação, inclusive com a previsão de demolição total se for o caso.

Art. 107. No caso de imóvel parcialmente atingido por plano de melhoramento aprovado por lei e com declaração de utilidade pública ou de interesse social em vigor, a edificação nova e as novas partes da edificação existente nas reformas com aumento de área devem observar os recuos mínimos obrigatórios, a taxa de ocupação e o coeficiente de aproveitamento estabelecidos no PDE e LPUOS e as disposições do COE em relação ao lote resultante da desapropriação.

§ 1º Observadas as condições estabelecidas no “caput” deste artigo, fica assegurado, ao proprietário que doar à Prefeitura do Município de São Paulo a parcela do imóvel necessária à execução do melhoramento viário aprovado por lei, o direito de utilizar também essa parcela doada no cálculo do coeficiente de aproveitamento.

§ 2º Atendidas as disposições do “caput” deste artigo, a execução de edificação na faixa a ser desapropriada poderá ser permitida pela Prefeitura, a título precário, devendo ser prevista sua demolição total e não sendo devida ao proprietário qualquer indenização pela benfeitoria ou acessão quando da execução do melhoramento público.

§ 3º No caso de o melhoramento prever a instituição de faixa não edificável, não se aplica o disposto no § 1º deste artigo, devendo a faixa ser indicada no projeto da edificação e constar do documento a ser emitido.

CAPÍTULO VIII

DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS

Art. 108. Para fins de aplicação dos índices de ocupação e aproveitamento do solo, observados os limites estabelecidos na LPUOS, não é considerada área construída computável:

I – o terraço aberto, com área construída máxima por pavimento equivalente a 5% (cinco por cento) da área do terreno;

II – o mobiliário definido como jirau, constituído de estrado ou passadiço, inclusive em estrutura metálica instalado a meia altura em compartimento, com pé-direito máximo de 2,30 m (dois metros e trinta centímetros), sem permanência humana prolongada, ocupando, no máximo, 30% (trinta por cento) da área do compartimento;

III – os demais tipos de mobiliário e a obra complementar com área construída de até 30,00 m² (trinta metros quadrados);

IV – a saliência, com as seguintes características e dimensões em relação ao plano da fachada da edificação:

a) elemento arquitetônico, ornato, ornamento, jardineira, floreira, brise, aba horizontal e vertical, com até 0,40 m (quarenta centímetros) de profundidade;

b) viga, pilar com até 0,40 m (quarenta centímetros) de avanço;

c) beiral da cobertura com até 1,50 m (um metro e meio) de largura;

d) marquise em balanço, não sobreposta, que avance, no máximo, até 50% (cinquenta por cento) das faixas de recuo obrigatório e com área máxima de 30,00 m² (trinta metros quadrados);

V – a área técnica, sem permanência humana, destinada a instalações e equipamentos;

VI – no pavimento destinado a estacionamento de veículos, motocicletas e bicicletas:

a) o compartimento de uso comum de apoio ao uso da edificação, tal como vestiário, instalação sanitária e depósitos;

b) as áreas de uso comum de circulação de pedestres, horizontal e vertical;

VII – no prédio residencial as áreas cobertas de uso comum localizadas:

a) no pavimento térreo;

b) em qualquer pavimento, observado o limite de 3,00 m² (três metros quadrados) por habitação;

VIII – no prédio de uso não residencial:

a) o pavimento térreo sem vedação, sendo admitido o fechamento do controle de acesso e as caixas de escada da edificação;

b) a circulação vertical de uso comum;

IX – (VETADO)

§ 1º A área construída do abrigo de lixo pode ser superior ao estabelecido no inciso III do “caput” deste artigo, quando tecnicamente justificado.

§ 2º As saliências a que se referem as alíneas “a”, “b” e “c” do inciso IV do “caput” deste artigo não são consideradas para fins do cálculo da área construída e podem ocupar as faixas de recuo estabelecidas na LPUOS e dos afastamentos previstos neste Código.

§ 3º Quando o recuo de frente for dispensado pela LPUOS admite-se o avanço até 0,40 m (quarenta centímetros) de elemento arquitetônico, ornato, ornamento, jardineira, floreira, brise, aba horizontal e vertical, e terraços sobre o passeio público, desde que observada a altura livre de 3,00 m (três metros) do nível do passeio e que não interfira nas instalações públicas.

§ 4º No equipamento destinado à prestação de serviço público de uso coletivo, a cobertura de quadra esportiva, quando destinada à captação de água de chuva ou à instalação de sistema de energia solar de aquecimento de água para utilização pela própria atividade desenvolvida na edificação, não será computada no cálculo do coeficiente de aproveitamento e da taxa de ocupação.

§ 5º As áreas sob a projeção das saliências poderão ser consideradas para cálculo para os índices de permeabilidade.

Art. 109. A edificação cuja titularidade seja de pessoa jurídica de direito público do Município, do Estado de São Paulo e da União Federal e respectivas autarquias universitárias, ainda que implantada em imóvel não constante do Cadastro de Edificações do Município, fica considerada regular na situação existente em 31 de julho de 2014, data da Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014.

Parágrafo único. O atendimento às normas de estabilidade, segurança, salubridade e acessibilidade na edificação de que trata o “caput” deste artigo é de responsabilidade do ente público que a ocupa.

Art. 110. Os arts. 2º e 13 da Lei nº 15.150, de 6 de maio de 2010, passam a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 2º ………………………………………………

§ 1º São consideradas Áreas Especiais de Tráfego – AET:

I – AET 1 – Minianel Viário: vias classificadas pela legislação vigente como Estruturais N1 e N3, inseridas no Minianel Viário;

II – AET 2 – na área externa ao Minianel Viário: vias classificadas pela legislação vigente como Estruturais N1, N2 e N3;

III – AET 3 – áreas de Operação Urbana: em todas as vias, independentemente de sua classificação.

§ 2º Para fins de enquadramento das edificações como Polos Geradores de Tráfego – PGT, são consideradas vagas de estacionamento de veículos o somatório das vagas oferecidas no projeto, excetuadas aquelas destinadas a carga e descarga, atendimento médico de emergência, segurança, motocicletas e bicicletas.”

“Art. 13. A Certidão de Diretrizes é documento obrigatório para a obtenção de Alvará de Aprovação e Execução, de Alvará de Execução e de Certificado de Regularização para empreendimento qualificado como Polo Gerador de Tráfego.

§ 1º Quando se tratar de pedido de Alvará de Aprovação, este será expedido mediante manifestação favorável da CET em relação ao cumprimento, no projeto do empreendimento, do disposto nos incisos I a III do parágrafo único do art. 4º desta lei.

§ 2º No caso de pedido de Certificado de Regularização, também deverá ser apresentado o Termo de Recebimento e Aceitação Definitivo – TRAD.

§ 3º No caso de projeto modificativo ou de mudança do projeto no decorrer da análise, fica dispensada a apresentação de nova certidão quando as alterações em relação ao projeto original analisado por CET:

a) não impliquem em alteração de uso, categoria de uso ou subcategoria de uso;

b) não ultrapassem 5% (cinco por cento) nas áreas computáveis e não computáveis, na taxa de ocupação e no número de vagas para veículos;

c) não impliquem em alteração de acessos de pedestres e veículos.”

Art. 111. Os arts. 82 e 83 da Lei nº 15.764, de 27 de maio de 2013, passam a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 82. ……………………………………………..

IV – emitir parecer sobre a aplicação da legislação de edificações e de uso, ocupação e parcelamento do solo e do Plano Diretor Estratégico – PDE, em especial no que diz respeito à implantação e afastamentos de edificação em especial relativas a nível do pavimento térreo em função de determinantes construtivas resultantes de:

a) áreas sujeitas a alagamento;

b) restrição à construção de subsolo em terrenos contaminados e, quando exigido por órgão ambiental competente;

c) lençol freático em níveis próximos ao perfil do terreno;

V – ……………………………………………………………

VI – decidir quanto à dispensa dos recuos laterais e de fundo quando o lote vizinho apresentar edificação encostada na divisa do lote, conforme análise caso a caso.

………………………………………………………………”

“Art. 83. A CEUSO é composta de 8 (oito) membros, todos com seus respectivos suplentes, sendo 4 (quatro) do Poder Público e 4 (quatro) da sociedade civil pertencentes a entidades ligadas à engenharia, arquitetura e construção civil, na forma definida em decreto.

……………………………………………………………….

§ 2º Os representantes da CEUSO devem ser arquitetos ou engenheiros, podendo o representante da Secretaria Municipal dos Negócios Jurídicos ser Procurador do Município.

………………………………………………………………”

Art. 112. Ficam isentos do pagamento da TEV/COE e taxas em geral, bem como dispensados do pagamento dos preços públicos os pedidos de parcelamento do solo de interesse social e de mercado popular.

Art. 113. O parcelamento do solo de imóvel cuja titularidade seja da União, do Estado e do Município fica sujeito ao prévio exame dos órgãos municipais competentes, independendo da expedição dos documentos estabelecidos na LPUOS.

§ 1º Caso apresentado, o pedido de parcelamento do solo do Município, Estado e União fica isento do pagamento da TEV/COE e dispensado do pagamento dos preços públicos.

§ 2º A isenção a que se refere o § 1º deste artigo aplica-se, inclusive, às entidades da Administração Pública Indireta.

Art. 114. Aplicam-se os procedimentos administrativos estabelecidos neste Código aos processos em andamento na data de sua entrada em vigor.

§ 1º A reconsideração do despacho de primeira instância administrativa protocolada anteriormente à data da entrada em vigor deste Código deve ser apreciada pela segunda instância conforme estabelecido no art. 69.

§ 2º O recurso em trâmite na última instância decisória extinta por este Código deve ser apreciado nesta instância quando:

I – protocolado anteriormente à data de sua entrada em vigor;

II – protocolado após a data de sua entrada em vigor, porém dentro do prazo estabelecido pela legislação anterior para este fim.

§ 3º Aplicam-se as disposições dos §§ 1º e 2º deste artigo aos processos em andamento nos termos da Lei nº 11.522, de 3 de maio de 1994, Lei nº 13.558, de 14 de abril de 2003, e Lei nº 13.876, de 23 de julho de 2004.

Art. 115. O pedido protocolado até a data do início da vigência deste Código, ainda sem despacho decisório ou com interposição de recurso dentro do prazo legal, deve ser analisado e decidido de acordo com os requisitos técnicos da legislação anterior.

§ 1º No caso de que trata o “caput” deste artigo, não será admitida qualquer mudança, alteração ou modificação que implique no agravamento das desconformidades em relação ao estabelecido neste Código.

§ 2º Por opção e a pedido do interessado, a análise e decisão podem ocorrer integralmente nos termos deste Código.

§ 3º No caso previsto no § 2º deste artigo, não será admitida a apresentação do projeto simplificado previsto neste Código, devendo o interessado, para tanto, desistir do processo em aberto, protocolar novo pedido e recolher as taxas devidas.

Art. 116. O prazo de vigência do Alvará de Aprovação a ser expedido em processo protocolado em data anterior à data da entrada em vigor deste Código será de 3 (três) anos.

Parágrafo único. O disposto no “caput” deste artigo aplica-se aos Alvarás de Aprovação e aos Alvarás de Aprovação e Execução já emitidos e vigentes na data da entrada em vigor deste Código.

Art. 117. O Executivo, à vista da evolução tecnológica e dos costumes, promoverá a constante atualização das prescrições deste Código, fixando, para tanto, os seguintes objetivos:

I – promoção das adequações e remanejamentos administrativos necessários ao processo de modernização e atualização deste Código, inclusive no que se refere à estrutura operacional da fiscalização;

II – estabelecimento de novos procedimentos que permitam a reunião do maior número de experiências e informações de entidades e órgãos técnicos internos e externos à Prefeitura;

III – estabelecimento de rotinas e sistemáticas de consulta a entidades representativas da comunidade.

Parágrafo único. A Secretaria Municipal de Licenciamento é o órgão responsável pela coordenação do procedimento de atualização de que trata o “caput” deste artigo.

Art. 118. A não observância das disposições deste Código, de seu decreto regulamentar e das normas técnicas aplicáveis sujeita o proprietário ou o possuidor e o profissional habilitado aos procedimentos fiscalizatórios e à aplicação das penalidades estabelecidas na Tabela de Multas constante do Anexo III desta lei, sem prejuízo das sanções administrativas e medidas judiciais cabíveis.

Art. 119. A Prefeitura pode firmar convênio com órgão de classe de arquitetos e engenheiros visando ao aprimoramento dos mecanismos de controle do exercício profissional.

Art. 120. A Prefeitura deve implantar sistema de gestão eletrônico visando à simplificação e transparência do processo de licenciamento, para que o agente público e o munícipe possam acompanhar toda a tramitação dos pedidos.

Art. 121. Os projetos para áreas sob intervenção urbanística promovida pelo Poder Público, os equipamentos públicos, os programas habitacionais de interesse social, bem como o Empreendimento Habitacional de Interesse Social em ZEIS – EZEIS, Empreendimento Habitacional de Interesse Social – EHIS, Empreendimento Habitacional do Mercado Popular – EHMP, Habitação de Interesse Social – HIS, Habitação do Mercado Popular – HMP e moradia econômica, definidos em legislação municipal, podem ser objeto de normas especiais diversas das adotadas por este Código e apropriadas à finalidade do empreendimento, fixadas por ato do Executivo.

Art. 122. O Executivo regulamentará esta lei no prazo de até 60 (sessenta) dias contados da data de sua publicação.

Art. 123. Esta lei entrará em vigor no prazo de até 60 (sessenta) dias contados da data de sua publicação, junto com sua regulamentação, revogadas a Lei nº 5.534, de 18 de julho de 1958, o art. 5º da Lei nº 8.382, de 13 de abril de 1976, Lei nº 9.843, de 4 de janeiro de 1985, Lei nº 10.671, de 28 de outubro de 1988, Lei nº 10.940, de 18 de janeiro de 1991, Lei nº 11.228, de 25 de junho de 1992, Lei nº 11.441, de 12 de novembro de 1993, Lei nº 11.693, de 22 de dezembro de 1994, Lei nº 11.859, de 31 de agosto de 1995, Lei nº 11.948, de 8 de dezembro de 1995, Lei nº 12.561, de 8 de janeiro de 1998, Lei nº 12.597, de 16 de abril de 1998, Lei nº 12.815, de 6 de abril de 1999, Lei nº 12.821, de 7 de abril de 1999, Lei nº 12.936, de 7 de dezembro de 1999, o art. 2º da Lei nº 13.113, 16 de março de 2001, Lei nº 13.319, de 5 de fevereiro de 2002, Lei nº 13.369, de 3 de junho de 2002, Lei nº 13.779, de 11 de fevereiro de 2004, Lei nº 14.459, de 3 de julho de 2007, Lei nº 15.649, de 5 de dezembro de 2012, Lei nº 15.831, de 24 de junho de 2013, e o art. 12 da Lei nº 16.124, de 9 de março de 2015.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 9 de maio de 2017, 464º da fundação de São Paulo.

JOÃO DORIA, PREFEITO

ANDERSON POMINI, Secretário Municipal de Justiça

JULIO FRANCISCO SEMEGHINI NETO, Secretário do Governo Municipal

Publicada na Secretaria do Governo Municipal, em 9 de maio de 2017.

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-1.pdf,PDF, 11KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-2.pdf,PDF, 10KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-3.pdf,PDF, 10KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-4.pdf,PDF, 13KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-5.pdf,PDF, 14KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-6.pdf,PDF, 10KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-7.pdf,PDF, 13KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-8.pdf,PDF, 10KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-9.pdf,PDF, 8KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-10.pdf,PDF, 23KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-11.pdf,PDF, 15KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-12.pdf,PDF, 19KB)

Lei N° 16642 DE 09 DE Maio DE 2017 – Download (L-16642_17_ANEXOS-III-E-II-13.pdf,PDF, 10KB)

Este texto não substitui o original publicado no Diário Oficial da Cidade de São Paulo

 

Publicado em POLITICA URBANA | Marcado com , | 3 Comentários

João Dória diminuirá as ciclovias inoperantes da cidade de SP


tiago-scheuer-com-vagner3Opinião Eng.Urb.Vagner Landi

images

O prefeito João Dória de São Paulo está deixando muitos petistas/comunistas/bolivarianos/ignorantes/arruaceiros preocupados, pois incomoda porque acorda cedo para trabalhar e está deixando nossa cidade no caminho certo em tempo recorde.

Enfrentou os pichadores que sujaram nossa cidade na era Haddad , pichando monumentos históricos , prédios e residências , agredindo a paisagem urbana.

Começou a enfrentar “os ciclistas de final de semana e feriados” que usam a bicicleta para cuidar da saúde e passear e não para trabalhar na maioria deles , que procuram aparecer na mídia em defesa das suas ideologias políticas.

ciclo1

Dória com sua equipe fez um levantamento das ciclovias inoperantes implantadas na administração Haddad ( PT), de forma até vergonhosa em certas regiões da cidade. Verificou o número de ciclistas que passam durante o dia bem abaixo do esperado e publicado pela gestão passada, prejudicando o comércio por não ter sua frente para estacionamentos de carga e descarga.

prometida-ha-muitos-anos-a-ciclovia-da-avenida-eliseu-de-almeida-na-zona-oeste-finalmente-foi-feita-a-inauguracao-foi-no-sabado-o-local-tem-forte-uso-de-ciclistas-que-pedalam-para-o-1402

As ciclovias são vistas pelo atual prefeito como uma opção de transporte ou locomoção casa/trabalho ou casa/estacionamento de bikes/trabalho.

Estacionamentos de bike em Amsterdam

amsterdam-bikes

Em países de primeiro mundo as cidades pontuam em qualidade de vida em virtude das suas ciclovias serem opções ótimas de transporte, isto porque são projetadas para tal , como espaços físicos adequados, estacionamentos de grande porte equipados com segurança e vestiários com acessibilidade para ambos os sexos.

O conceito de transporte com bikes é para percurso pequenos do trabalhador até grandes centros de estacionamentos de sua casa ao estacionamento , onde o ciclista deixa sua bike e pega a condução Metrô, Ônibus ou VLT , até o seu trabalho ou mesmo de sua casa ao trabalho direto desde que no trabalho tenha estacionamento ou vestiário.

Esta é a visão de um prefeito como João Dória que é um visionário, conhecedor de várias cidades do mundo e um empreendedor/não político.

 doria flores do PT

Dória respondeu assim aos ativistas/ciclistas,

 “Nem com gritos nem com flores. Alguns ativistas e ciclistas são iguais a grevistas. São personalistas e egoístas. Prefiro o povo. Gente simples e generosa. E que quer o bem do Brasil.”

Na campanha, Doria acusava a gestão Fernando Haddad (PT), que reduziu os limites nas marginais, de promover a “indústria da multa”. Com a mudança em sua gestão, as multas caíram 57% nas vias, mas os acidentes com vítimas aumentaram.

Mas os acidentes 70% são de responsabilidade desse Motoqueiros irresponsáveis que transitam no meio fio entre os carros e sempre acima do limite de velocidade, não respeitando os automóveis que dão seta de alerta para trocar de faixa, não só nas marginais como nas avenidas e ruas da capital.

Veja matéria das ciclovias em Amsterdam em nosso Blog,

https://engvagnerlandi.com/2017/03/02/amsterdam-tem-mais-bicicletas-que-habitantes-voce-sabia/

https://engvagnerlandi.com/2014/08/13/amsterdam-a-capital-da-holanda-a-veneza-do-norte-europeu-the-capital-of-holland-the-venice-of-northern-europe/

https://engvagnerlandi.com/2015/03/20/as-bicicletas-em-amsterdam-bicycles-in-amsterdam/

Veja matérias na Folha de São Paulo,

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/04/1879984-doria-joga-fora-flores-que-recebeu-de-ciclista-pelos-mortos-nas-marginais.shtml

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/04/1879360-gestao-doria-proibe-motos-de-circular-em-pista-da-marginal-tiete-a-noite.shtml

Deixe seu comentário que o mesmo será publicado e respondido,

Obrigado !!!

 

Publicado em POLITICA URBANA | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Monotrilho Linha 17 – Obras atrasadas da Operação Urbana Água Espraiada – Bairro do Campo Belo


Monotrilho Linha 17 – Obras atrasadas da Operação Urbana Água Espraiada 

campo belo 5

A nobre região sul da capital paulistana, que envolve os bairros do Jabaquara ,Campo Belo e Brooklin, vem sofrendo com obras do Monotrilho , prometidas pelo Governo do Estado que deveriam entrar em funcionamento em 2015 do Aeroporto de Congonhas até a estação Morumbi da linha 9-esmeralda da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos).

campo belo 0

campo belo 2

Estamos em abril de 2017 e o que vemos é puro desrespeito aos moradores do entorno que pagam um dos IPTU’s mais altos da capital paulistana , chegando à conclusão que esta obra do Monotrilho vai ser mais um elefante branco urbanístico , além do custo econômico fora da realidade, não inaugurada , sem promessa certa de data para inaugurar….UMA VERGONHA !!!

campo belo 9

joao-doriaA esperança com João Dória,

por-que-sao-paulo

Contrastes de classes sociais ao eixo da avenida entre os bairros nobres de Campo Belo e Brooklin,

campo belo 8

A nossa esperança é o prefeito João Dória que deverá dar um avanço nas obras da avenida Roberto Marinho ( Operação Urbana Agua Espraiada – Prefeitura ),que teriam de andar junto com as obras do Monotrilho ( Linha 17 – Ouro – Governo do Estado ), atrasadas juntamente com a inércia da ex-administração Haddad.

Na foto acima Habitações Populares ao longo da Av.Washington Luis em direção a Av.Roberto Marinho paralizadas e lixo a céu aberto,

Tudo isso gerou canteiros de obras abandonados dando espaço livre para moradores de rua e desocupados, sem a mínima segurança por parte da polícia militar e guarda metropolitana , além de trazer transtornos diários no transito, por estreitamento das pistas devido a canteiros de obras e partes das estruturas a vários meses para serem içadas.

12088591

Muito tempo se passou para esperar os 18 km prometidos para a obra completa – Paraisópolis / Jabaquara com 18 estações ,para uma previsão futura de levar 252 mil pessoas por dia , mas os primeiros 8 km – Morumbi/Marginal Pinheiros/Congonhas ,não se sabe se será entregue em 2019….UMA VERGONHA !!!

c3adndice-1

Histórico da Operação Urbana Agua Espraiada – Administração Kassab para Haddad

No final da administração Kassab foi assinado contrato para construção do túnel que ligaria a avenida Roberto Marinho com a Rodovia dos Imigrantes e removeria 40 mil moradores em 16 favelas dos bairros do Jabaquara , Campo Belo e Brooklin, além da construção de 8 mil moradias populares no entorno , como previsto em Lei da Operação Urbana.

Mas o túnel não foi mais prioritário, logo após a posse de Haddad na prefeitura do PT , além de não construir nem 20% das habitações populares prometidas em sua meta de campanha , preferiu priorizar os investimentos no transporte público comprando briga com os donos de carros , construindo ciclovias a custos altíssimos e esquecendo áreas como esta da Zona Sul Paulistana….UMA VERGONHA!!!

Veja abaixo como seria essa obra do túnel – Governo Kassab,

Projeto de prolongamento da Av. Roberto Marinho recebe licença ambiental prévia

O Conselho do Meio Ambiente – CADES concedeu em fevereiro de 2013 a  Licença Ambiental Prévia – LAP – para o prolongamento da Av. Jornalista Roberto Marinho. 

Esta foi a primeira licença obtida para o Complexo de obras que será feito na região e inclui ainda remoção de famílias de baixa renda, construção de conjuntos habitacionais para essas famílias e despropriações diversas, etc. 

O CADES aprovou ainda o estudo e o relatório de impacto ambiental – EIA-RIMA. Agora, a SPObras aguarda a licença de instalação para a execução da obra.

O prolongamento da Av. Jornalista Roberto Marinho será feito por túneis de ligação até a rodovia dos Imigrantes e faz parte da Operação Urbana Consorciada Água Espraiada.

Características da obra

750 metros em nível

2 pistas com 4 faixas em cada lado

2.350 metros em 2 túneis, com 3 faixas em cada 180 metros em nível,

2 pistas com 3 faixas cada de 4.230 metros de ramos de ligação ,vias marginais de ligação à rodovia dos Imigrantes, sendo 1.160 metros em viadutos, todos com 2 faixas em cada

prolongamento_roma11228251

Veja abaixo o cancelamento das obras – Governo Haddad ( vulgo Jaiminho)

Nota de esclarecimento – Suspensão das obras do túnel na Av. Roberto Marinho

Nota de esclarecimento – Operação Urbana Água Espraiada: depois das audiências públicas realizadas para consultar a população sobre o Programa de Metas (2013-2016), a Prefeitura de São Paulo decidiu inverter as prioridades das diversas obras da Operação Urbana Água Espraiada. A obra do túnel que ligaria a av. Dr. Roberto Marinho à Rodovia dos Imigrantes foi suspensa. Passam a ter prioridade outras obras da operação urbana, como a construção de 8 mil unidades de Habitação de Interesse Social, a implantação do parque linear e a extensão da Chucri Zaidan até a João Dias (a licença ambiental já emitida). De acordo com o prefeito Fernando Haddad, a limitação de recursos e as prioridades da população local foram considerados nessa inversão. “Na operação urbana Água Espraiada, há um conjunto grande de obras. Não há recursos para isso tudo e para o túnel. Então as pessoas se manifestaram nas audiências públicas e disseram: ‘Vamos inverter: ao invés do túnel, vamos priorizar todas essas obras e quando vendermos mais CEPACs, sobretudo na região do Jabaquara, você pode retomar a ideia de fazer o túnel, que já está licitado e licenciado’”, explicou o prefeito. “Não esta havendo um cancelamento, apenas uma inversão de prioridade. Com 2,3 bi em caixa, vamos fazer isso”, completou.  

Assessoria de Comunicação – SPOBRAS – 14/02/2013

Qual a Prefeitura Regional desta região,

É a Prefeitura Regional de Santo Amaro, formada pelos distritos de Campo Belo, Campo Grande e Santo Amaro, com uma área de 37,8 km², onde vivem 244.105 moradores, segundo dados mais recentes .

14-MAPA-SA-04

pref sto amaro Pref.Regional é Francisco Roberto Arantes Filho,

Bacharel em Direito, com MBA em Gestão. Foi chefe de gabinete e coordenador de Relações Institucionais na Secretaria dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, onde ficou até 1996. Coordenou o projeto de veículo leve sobre trilhos (VLT) na Baixada Santista e os serviços de mobilidade da Copa do Mundo em 2014.

Francisco é morador da região e está empenhado em resolver este problema na região devido ao atraso das obras do Monotrilho e juntamente com João Dória articular para a Revitalização acelerada da região , seguindo os parâmetros da Operação Urbana água Espraiada e quem sabe a volta ao projeto do túnel Roberto Marinho/Imigrantes com o magnífico Parque Linear para aumentar a Melhor Qualidade de Vida aos moradores da Região.

As Ruas do Campo Belo,

As Ruas do Bairro do Campo Belo, são hoje consideradas as piores em manutenção da malha asfáltica devido as obras no seu entorno pela iniciativa privada , com passagem de caminhões pesados que carregam entulho e caçambeiros que recolhem as caçambas e caminhões que carregam os guindastes das obras municipais e estaduais.

No detalhe acima uma das ruas do Campo Belo como a José Batista Pereira ,ligação da Gabriele Dannuzio com a Roberto Marinho,

Moradores entram no SAC da Prefeitura Regional ,mas não tem o retorno necessário de manutenção, chegando a desanimar ao ver as obras paralisadas e o presente herdado da administração passada, deixando a esperança para o atual prefeito !

Muitos problemas estão sendo enfrentados pelos moradores desses bairros em segurança, altos índices de assaltos em residências e pontos de comércio como lojas e postos de gasolina , esperando um dia melhorar e ver pronto este projeto sonhador se tornar realidade , valorizando todos os imóveis ao entorno , veja projeto final na íntegra , abaixo ,

Outras matérias você pode encontrar em nosso Blog , como esta abaixo,

https://engvagnerlandi.com/2017/02/03/operacao-urbana-consorciada-agua-espraiada-administracao-joao-doria-camara-municipal-de-sp-governo-do-estado-de-sp/

Deixe seu comentário que o mesmo será publicado e respondido,

Obrigado !!!

Publicado em REVITALIZAÇÃO URBANA | Marcado com , , , | 6 Comentários

Médicos Sem Fronteiras – Doctors Without Borders


Médicos Sem Fronteiras 

downloadlogo4

MSF é uma organização não governamental sem fins lucrativos que tem o compromisso de destinar 80% de todos os recursos arrecadados às atividades de ajuda humanitária que realiza em campo. Os demais 20% são utilizados para despesas administrativas e reinvestidos em ações para captação de recursos.

cid_jan2013_msf5

O uso dos recursos de MSF é rigorosamente controlado e os relatórios financeiros auditados de todos os nossos escritórios internacionaissão publicados anualmente.

grafico-distribuicao-2015-2

20160422_185317Opinião Eng.Urb.Vagner Landi

Abro nosso Blog para essa Organização a qual sou um doador mensal,pois agradeço todos os dias a Nosso Senhor Jesus Cristo e a minha Nossa Senhora Aparecida – Padroeira do nosso Brasil , por ter me dado nessa passagem muita Saúde Paz e Alegria e, poder aproveitar o máximo nessa vida e tenho comigo o dever de contribuir e ajudar o próximo dentro das minhas possibilidades e o que o meu coração pedi.Emocionante é ler os relatos desses profissionais que doam um tempo de sua formação profissional para ir a lugares extremos , a povoados que nem imaginemos que existam com a única missão….SALVAR VIDAS !!!

botao_1

SEJA VOCÊ TAMBÉM QUER SER UM DOADOR….é fácil , só clicar no final dessa matéria….obrigado !!!

No Brasil

1991-acao-brasil-msf37291_0

Cólera na Amazônia

Os Médicos Sem Fronteiras chegaram ao Brasil também com a missão humanitária, antes de descobrirem o país como um importante formador de especialistas na área de saúde e pessoas dispostas a colaborar com a instituição.

O MSF agiu para combater a epidemia de cólera ocorrida na Amazônia, em 1991, e permaneceu na região por 11 anos, com um trabalho de medicina preventiva nas tribos indígenas, que depois foi assumido por Organizações Não Governamentais.

Hoje, a organização soma 15 projetos desenvolvidos no país e estabeleceu sede no Rio de Janeiro, em 2006. Recentemente, também foi criada a Unidade Médica do Brasil (BRAMU), cujo objetivo é capacitar e treinar profissionais de MSF para melhorar a qualidade de atuação nos projetos.

Dos Recursos arrecadados no Brasil,

Os recursos arrecadados aqui são enviados para Bruxelas, centro operacional ao qual o escritório do Brasil está vinculado, e de lá o montante é distribuído de acordo com a necessidade dos países em que temos projetos no mundo todo. Os projetos realizados por MSF incluem programas de nutrição, cuidados básicos de saúde, vacinação, cirurgia, fornecimento de água e saneamento, entre outros. As atividades são definidas em função das necessidades da população de cada país.

Fatos e Resgates,

MV Aquarius rescue 720 03 Oct 2016

Equipes de MSF e da SOS Mediterranée resgatam migrantes e refugiados a bordo de um pequeno bote de madeira no Mediterrâneo. Eesta operação de resgate realizada pela organização salvou aproximadamente 2 mil pessoas, fantástico !!!

Vejam casos que nos emocionam, abaixo

Aleppo – Síria

A galeria de fotos de Gaith Yagout Al-Murjan mostra a destruição do hospital e seu entorno. As fotos foram tiradas após o último ataque ao hospital M10. A população da região leste de Aleppo sofre cada vez mais com os bombardeios contínuos, a insegurança, e a falta de alimentos, acesso a cuidados médicos e suprimentos básicos.

A destruição está por toda parte no leste da cidade de Aleppo. Áreas civis são bombardeadas continuamente, matando centenas de pessoas e deixando outras centenas de feridos. Foram registrados 23 ataques aos oito hospitais que ainda restam na região.

Iêmen: desnutrição infantil no hospital de Al-Thawra

Malnutrition in Yemen

O pequeno Ayashi Ibrahim, da cidade de Hodeidah, tem apenas 8 meses de idade e já foi admitido duas vezes no centro de nutrição terapêutica do hospital de Al-Thawra. Ele sofre de desnutrição aguda grave. A desnutrição é uma das maiores causas de mortalidade infantil em contextos de conflito e violência.

Nesta galeria de fotos, você confere o drama de crianças atendidas por profissionais de MSF no hospital de Al-Thawra que sofrem de desnutrição – problema recorrente na região – e seus acompanhantes

Relatos,

http://www.msf.org.br/noticias/sudao-do-sul-espero-que-algum-dia-tenhamos-paz

http://www.msf.org.br/noticias/siria-instabilidade-no-sul-do-pais

https://www.msf.org.br/diarios-de-bordo/afeganistao-khost-o-lugar-que-considero-minha-segunda-casa

https://www.msf.org.br/noticias/iraque-os-pacientes-que-recebemos-sao-os-que-tem-sorte

botao_1

Doações: Clique abaixo e doe mensalmente,

https://www.msf.org.br/doador-sem-fronteiras

Deixe seu comentário que o mesmo será publicado, Obrigado !!!!

Publicado em MÉDICOS SEM FRONTEIRAS | Marcado com , , | 2 Comentários

Os muros e paredes verdes da cidade de São Paulo – The walls and green walls of the city of São Paulo – 상 파울로에서 녹색 벽


doriaOs muros e paredes verdes da cidade de São Paulo 

23 323 1

João Dória , atual prefeito de São Paulo , estourou em aprovação nos seus 4 meses de trabalho à frente da capital paulistana ,impressionando até os seus parceiros de partido político ( PSDB), desbancando em aprovação Geraldo Alckmin que é o nome mais forte para concorrer à presidência da república em 2018.

23 2

DSCN1275Opinião , Eng.Urb.Vagner Landi

Mas essa matéria é para falar da nossa cidade que está ficando mais linda em pouco tempo, recuperando o caos que se encontrava na gestão do incapaz Fernando Haddad e seus secretários bolivarianos.

17882825_105260120036359_710012120422416384_n

Dória enfrentou os pichadores de cara e conseguiu aprovar na Câmara Municipal uma lei que se o ignorante for flagrado pichando levará uma multa de R$ 5 mil e se for contra patrimônio público ou bem tombado o valor vai pra R$ 10 mil , reincidindo dobra.

pichadoresmuropichado

ChargeX-XPichaXXXXes-720x509

Cadê os pichadores…..Sumiram !!!

pixo2

http://g1.globo.com/sao-paulo/noticia/camara-de-sp-aprova-lei-contra-pichacao.ghtml

Jardim-vertical-no-minhocao-movimento-90

jardim-vertical

Elevado Costa e Silva – Minhocão SP

Os muros ou paredes verdes , começam a aparecer na capital, como os da avenida 23 de maio , por meio de uma compensação ambiental devida por uma construtora que construiu um condomínio residencial no bairro do Morumbi – Zona Sul de SP, prevendo o plantio de 10 mil m2 de jardim num custo de R$ 9,7 milhões , onde estavam grafites pichados e pichações que causavam uma poluição visual aos olhos de quem passava pela avenida.

17075313

18013108_231456947334726_5821711290782973952_n

Acima sistemas de mantas , drenagem e irrigação no corredor Norte-Sul – SP

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/04/1872387-muro-da-23-de-maio-comeca-a-receber-plantas-apos-remocao-de-grafite-na-via.shtml

Em edifícios ou residências, o jardim vertical passa a ser um isolante natural, reduzindo a emissão de poluentes, absorvendo o calor, diminuindo a temperatura interna dos apartamentos e reduzindo o consumo de energia em mais de 35%, com a não utilização de ar condicionado.

Pássaros são atraídos assim com as abelhas e insetos polinizadores, equilibrando do microclima da região

imagesimages (1)

O maior Jardim Vertical do mundo ,

É o do edifício Tree House , em Cingapura, detentor do record mundial,segundo o Guinness, sendo o jardim vertical do prédio do tamanho de uma grande praça verde em direção ao céu, com 2.289 m².

jardimverticalCDL-Tree-House-1

d87d48a0c8fecfee490d9d76f0849672

Exterior do Tree House condomínio em Cingapura

Veja outros jardins nesses excelentes sites do WordPress,

https://shareforthefuture.wordpress.com/2013/10/16/maior-jardim-vertical-de-londres-e-instalado-em-hotel/

https://michelechristine.wordpress.com/a-arquitetura/jardins-verticais/

Deixe seu comentário ou sua opinião sobre a atual administração ,clicando logo abaixo , que o seu comentário será publicado e enviado ao nosso prefeito,

Obrigado !!!

Publicado em REVITALIZAÇÃO URBANA | Marcado com , , , , , | 2 Comentários

Estacionamentos em SP – 70% irregulares – Folha de SP – Câmara Municipal de SP


helena-e-vagnerOpinião Eng.Urb.Vagner Landi

Estacionamos nossos veículos na capital paulistana e nunca reparamos se o Estacionamento tem Licença de Funcionamento , emitida por Prefeituras Regionais e se estão atendendo todas as condições de segurança da edificação , como visto do Corpo de Bombeiros , índices urbanísticos – plantio de uma árvore a cada 40 metros quadrados de área descoberta – banheiros masculino e feminino com atendimento de acessibilidade e fornecer nota fiscal com o CNPJ do endereço  local ……………Você Sabia ?

foto estac folha

Além dos altos preços cobrados nunca temos a certeza se nosso carro estará coberto por seguros e em muitos casos é cobrado e seu carro fica estacionado na rua , então sempre é bom perguntar e denunciar na mídia ou no SAC das prefeituras regionais ou na Ouvidoria da Prefeitura.

O engenheiro exemplifica nas fotos baixo como deve ser um estacionamento correto de acordo com a Lei de Uso e Ocupação do Solo na capital paulistana,

Foto Estac

Na foto acima estacionamento correto com árvores plantadas a cada 40 m2 de area descoberta e áreas drenantes

Soluções-pra-quem-busca-estacionamentos-em-São-Paulo

Na foto acima estacionamento não obedecendo o plantio de árvores e áreas drenantes

thHZDVFC6T

Veja abaixo matéria na Folha de São Paulo de Eduardo Geraque , na qual dou minha opinião técnica sobre as irregularidades mais comuns apresentadas em mais da metade dos estacionamentos em nossa capital .

Veja materia na  íntegra no jornal Folha de São Paulo de 22/04/2017

http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/2017/04/1877565-crise-ilegais-e-novos-habitos-minguam-valets-e-estacionamentos-em-sao-paulo.shtml

A prefeitura tem que fiscalizar e fechar pois o abuso é muito grande e a cobrança em muitos casos só em dinheiro vivo , sem apresentação da Nota Fiscal pois não há exigência das máquinas de cartões , deixando o consumidor no risco sem saber se está seguro ou não.

doria-6553699

João Dória deverá colocar a fiscalização nas ruas nas Prefeituras Regionais para pedir o principal documento que é o Auto de Licença de Funcionamento com plantas aprovadas que atendam a Categoria de Uso , Segurança da Edificação e Atestados de engenheiros ou arquitetos responsáveis , juntamente com o AVCB – Corpo de Bombeiros.

Outro caso agravante que estão acabando com nossos edifícios históricos, principalmente na região do centro da cidade próximo ao Pátio do Colégio e outras ruas famosas , desestabilizando em muitos casos a estrutura antiga dessas edificações , suportando-as com vigas de ferro fundido , podendo em alguns casos anunciar uma possível tragédia.

Fiscalizar é necessário , dar parzo para apresentar os documentos , caso contrário , fechar de imediato se não houver Licenças de acordo com a lei.

O crescimento assustador na capital paulistana , não só de estacionamentos mas de outras categorias de uso cresceu assustadoramente nos últimos 6 meses da administração Kassab e nos 4 anos da administração Haddad.

Acesse o decreto sobre estacionamentos da PMSP,

http://www3.prefeitura.sp.gov.br/cadlem/secretarias/negocios_juridicos/cadlem/integra.asp?alt=27022004D%20444190000

 

Deixe seu comentário ou entre em contato , que retornaremos em seguida , clicando logo abaixo,

Obrigado !!!

 

Publicado em NOTICIAS EM JORNAIS, POLITICA URBANA, Você Sabia ? | Marcado com , , , | 2 Comentários

Acessibilidade Urbana na Cidade de São Paulo – Desafio para João Dória Jr.


Acessibilidade Urbana na Cidade de São Paulo , Desafio para João Dória

Você sabia que apenas 0,69% são considerados acessíveis ?

20160422_225521Opinião Eng.Urbano Vagner Landi

doria-6553699João Dória Jr ,

Recebeu de herança de outras administrações serviços mal executados e obras prometidas não cumpridas , pois São Paulo com seus 17 mil km lineares de vias com médias nas calçadas de largura de 2,30 metros , fazemos as contas dos dois lados , 17.000.000 metros x 2,30 metros x 2 = 78.200.000 metros quadrados (m2)

Brasão_da_cidade_de_São_Paulo.svg

Esses dados são informados pela própria prefeitura comprovando o desrespeito a retribuição dos impostos pagos por nós cidadãos aos cofres públicos, pois apenas 545 metros quadrados são considerados acessíveis.

Da Prefeitura para o Contribuinte ,

Segundo a prefeitura de São Paulo, a responsabilidade pela acessibilidade das calçadas também é dos proprietários dos imóveis , pode até ser mas existe uma lei para ser cumprida em relação aos contribuintes em deixar sua calçada sem buracos ou degraus , multando os mesmos ,

Do Contribuinte para a Prefeitura,

Deveria existir uma lei em que o contribuinte pudesse ter o ressarcimento da prefeitura se na sua quadra não houver um rebaixamento de guia para cadeirante , faixas de pedestres em perfeito estado e o asfalto nas ruas sem ondulações ou buracos ou outros equipamentos públicos de responsabilidade da prefeitura.

faria-limaFaria Lima ( 1965/1969 )

Sempre comentamos em nosso Blog e sempre elogiamos Faria Lima , que foi o melhor “prefeito visionário” que SP já teve e lembramos que em 1966 o prefeito lançou um concurso que escolheria o melhor desenho  para padronizar as calçadas paulistanas , que existe até hoje em vários bairros da nossa capital.

calcada

Do site da Prefeitura,

O poder público assume a responsabilidade de oferecer informações padronizadas e pode até fazer as adaptações necessárias nas calçadas, mas a conta é do dono do imóvel. Apenas as rampas de acesso das calçadas são de responsabilidade das subprefeituras da cidade, de acordo com o site da prefeitura.

30% dos deslocamentos na capital são feitos a pé,

c3adndice

Deslocamentos dos pedestres na capital acerca de 30% são realizados a pé , pois para se deslocar de casa até um ponto de ônibus, estações de Metrô / Trens , correndo o risco de levar um belo tombo por estes caminhos tortuosos e/ou desnivelados.

charge-sobre-acessibilidade

Nas fotos abaixo , são minhas prediletas e mostro em todas as matérias sobre esse assunto , que compara o respeito de uma administração ao contribuinte que vive na cidade . Fotos tiradas pelo eng.urbano Vagner Landi onde vemos um idoso em uma calçada acessível em Pescara – Itália e outro idoso em uma calçada na capital paulistana, exemplos de disparidade do desrespeito do Poder Público com o cidadão pagador de impostos.

dscn0808São Paulo

italia-sony-260Pescara

Divulgações na mídia escrita e televisiva,

Em 2011, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou uma nova lei sobre calçadas. Esta lei aumentou de 90 cm para 1,20 m o espaço mínimo livre e desimpedido reservado à passagem de pedestres, e determinou a localização –junto ao meio fio– de uma faixa de 75 cm reservada para instalação de lixeiras, árvores e mobiliário urbano.

oscara-freireSão Paulo ( detalhes dos espaços e fiação embutida )

À época, aliás, a prefeitura divulgou uma cartilha com orientações sobre a implementação da nova lei. O material está disponível no site da Folha de São Paulo ,

media.folha.uol.com.br/cotidiano/2012/04/09/regras-calcada.pdf

Lei das calçadas , clique abaixo;

Lei 15.442, de 2011- Lei das Calçadas

Abaixo , entrevista com o eng. Urbano Vagner Landi ;

Publicado em 29 de out de 2014 – PROGRAMA VIA LEGAL – TV CULTURA

https://www.youtube.com/watch?v=DzzMMNU7sLM&list=UUMMJm4lYxEh7GM4loYh6-SQ&index=331

Tenho muita esperança em João Dória Jr. e o próprio PSDB , está surpreso pela sua capacidade , sabem porque ???….ele não é político por formação e sim um empreendedor e ficha limpa e gosta de São Paulo e sabe que acessibilidade urbana é um dos pontos principais para uma cidade subir na pontuação de Qualidade de Vida , tão bem defendida em nosso Blog.

Esperamos que cumpra seu mandato de 4 anos e se reeleja para mais quatro anos , pois com ele e nesse ritmo , com certeza São Paulo vai ficar mais Linda !!!

Deixe seu comentário , que o mesmo será publicado respondido !

Obrigado !!! 

 

Publicado em REVITALIZAÇÃO URBANA, Você Sabia ? | Marcado com , , , , | Deixe um comentário