Lei Cidade Limpa em SP,volta a debates na Câmara Municipal

Lei Cidade Limpa em São Paulo,volta a debates na Câmara Municipal de São Paulo

A tão festejada Lei que levantou a popularidade do atual prefeito de São Paulo-‘Lei Cidade Limpa’,pode retomar a popularidade do prefeito novamente,que se encontra abaixo do 18%,mas por outro lado vem sendo estudado entre os subprefeitos das 31 subprefeituras por ordem,é claro,de Kassab,em não reprimir os infratores,mas sim orientar primeiro,para dar tempo a adequações nos comércios,como tamanho inadequado das publicidades de fachadas,não inscrição no CADAN e falta de renovação dos referidos impostos de publicidade.

Outro fator importante da Lei Cidade Limpa é o número infernal de postes de iluminação,fiação elétrica e de trólebus em nossa cidade.

Há muito já venho combatendo em meu blog o número de postes da Eletropaulo em relação a metro linear em muitas ruas de nossa cidade.

Reparem quando dirigindo seu automóvel ou caminhado por ruas e avenidas o número assustador de postes em nossa rede elétrica aérea, sabe por que, as concessionárias de energia ao passar do tempo foram colocando novos postes e nunca retiraram os antigos, é claro né.!!! Muito mais fácil colocar o poste novo do que tirar os antigos !!!

As ruas principais de nossos bairros poderiam ganhar fiação subterrânea e assim estenderiam para as ruas secundárias e por diante, ajudando assim, em melhor qualidade de vida, acessibilidade e limpeza urbana, melhorando o visual reurbanizando nossas calçadas, valorizando os imóveis.

Quanto a Kassab,de novo partido e nova postura,sendo mais maleável e não sendo muito rígido em ações fiscalizatórias que só prejudicaram sua imagem,pois estas ações só geram mais desempregos,tem tudo para acertar dando uma segunda dose na Lei Cidade Limpa,agora combatendo a fiação aérea em excesso,intimando as concessionárias de luz e energia,redes de TV a cabo e Internet que fazem o que querem do espaço aéreo passando fiação por tudo quanto é poste e por tudo quanto é fachadas dos estabelecimentos comerciais e residenciais.

Outro fator importante a ser levado em conta é uma solução aos trólebus que por um lado não poluem o ar, mas agridem a paisagem urbana com os inúmeros postes que sustentam a fiação que fornece energia para os ônibus,que hoje estão se tornado um problema sério nas ruas e avenidas quando quebram,ocasionando caos no transito na nossa capital.

Veja matéria abaixo,do que vai acontecer na Câmara Municipal nos próximos meses.

Vereadores optarão entre rede elétrica, Rodoanel e acessibilidade em SP. Novo presidente afirma que Câmara passa por processo de ‘distensão’.

A Câmara Municipal de São Paulo deve instalar na próxima semana pelo menos duas de três comissões parlamentares de inquérito (CPIs) sugeridas pelas lideranças dos vereadores. Havia expectativa de que a instalação de CPIs ocorresse ainda nesta semana, após a formação das comissões permanentes, mas os vereadores ainda não se decidiram sobre os temas a serem investigados.

O  presidente da Câmara, José Police Neto (PSDB), diz que uma das propostas é pressionar pelo cumprimento de acordos entre a Prefeitura e as concessionárias de energia elétrica, que prometiam maior eficiência na iluminação da cidade, especialmente na Zona Leste, e pelo aterramento das redes. Ele lembra que a eliminação da fiação aérea constitui a segunda etapa do projeto Cidade Limpa e pode dar mais segurança para a população. 

“São poucas as metrópoles do tamanho de São Paulo que tem fiação exposta.” Os vereadores também vão avaliar a proposta do PT de investigar o traçado do Trecho Norte do Rodoanel Mário Covas. “São matérias que ganham corpo e a nossa vontade é que os líderes e os parlamentares cheguem a um acordo”, afirma. Outra proposta é a de investigação da aplicação das políticas de acessibilidade na cidade de São Paulo.

Police afirma que a Câmara de São Paulo ainda enfrenta resquícios da briga política provocada pela eleição da Mesa em dezembro do ano passado. Desde a retomada da legislatura, em 1º de fevereiro, o grupo político denominado Centrão obstrui votações propostas pelo prefeito Gilberto Kassab. Police acredita que a definição das comissões permanentes, em que o Centrão saiu beneficiado, deve acalmar ânimos.

“A Casa de ontem avançou porque elegeu as comissões e hoje realizou reuniões nessas comissões. Isso também leva a uma nova realidade. É lógico que distensiona o processo no dia de hoje. Cada dia que passa dá novo ritmo à Casa.”

Police Neto diz que a Câmara ainda passa por um processo de acomodação. “A Casa está em um período de acomodação.

Nós viemos de uma eleição em 15 de dezembro em que teve uma disputa. A gente vinha em um período sem disputa. Toda vez que a disputa acontece, você leva um tempo para acomodar. O dia de ontem foi o primeiro momento de acomodação em que os parlamentares anunciaram seus desejos de presidência de comissão e a partir de seus desejos vimos como isso poderia ser ajustado.”

Integrante do Centrão, o vereador Wadih Mutran (PP) diz que a maioria conquistada pelo governo na quarta-feira foi “transitória”, por se tratar de projetos de interesse do funcionalismo.

O que poucos sabem é que está previsto por lei municipal tornar subterrânea uma extensão de até 250 km lineares dos cabos aéreos das empresas que operam em São Paulo, de acordo com o Programa de Enterramento da Rede Aérea (Lei 14.023/2005, regulamentada pelo Decreto n.º 47.817, de 26/10/2006).

Recentemente foi divulgado um plano entre a Prefeitura de São Paulo e a AES Eletropaulo para o enterramento de 5 km de rede elétrica aérea no Ibirapuera e um pouco mais de 1 km no trecho mais antigo da Avenida Faria Lima. Sem dúvida, são ações positivas para o urbanismo de São Paulo. Entretanto, diante dos 50 mil km de fiação aérea que a Eletropaulo afirma existir atualmente na cidade, a extensão desse plano parece bastante limitada. Essa questão merece um exame mais atento, assim como o alcance da lei de 2006.

 

 

 

Incrivel,no viaduto Alcantara Machado que divide os bairros da Moóca e Brás,apenas  em seu comprimento existem 120 postes apenas para segurar a fiaçãodos trolebus elétricos,degradando o visual arquitetonico do local.

Outro fato qua já venho combatendo há tempo em nossa capital é a quantidade de postes da Eletropaulo que poderiam ser retirados,pois já levantamos em varios pontos de avenidas ou ruas de bairros que existem em apenas 50 metros de extensão até seis postes,que transformam nossa cidade numa paisagem terrível e além do mais prejudica em muito acessibilidade tão combatida por nossos políticos.

Sobre engvagnerlandi

Engenheiro Civil , formado Pela Faculdade de Engenharia São Paulo na capital paulistana , Especialista em Uso e Ocupação do Solo , Plano Diretor e Aprovações de Projetos e Licenciamentos na Grande São Paulo. Tem o Urbanismo como convicção , sempre defendendo uma Melhor Qualidade de Vida para os bairros de SAMPA
Esse post foi publicado em POLITICA URBANA, Uncategorized e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Obrigado pela sua participação!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s